O secretário de Trânsito e Transporte (SETRAT), Argemiro José Ferreira, esclareceu, na manhã desta quarta-feira (09/05), o motivo da mudança no valor do colete, questionado por um grupo de moto-taxistas.

Argemiro ressaltou que houve um prazo para o pagamento do boleto e que até a data os profissionais receberam um desconto para efetuar o pagamento, como alguns moto-taxistas não efetuaram o pagamento perderam o desconto ofertado e a segunda via para o pagamento foi emitido com valor real do produto. “Como foram solicitados vários coletes a empresa ofereceu um desconto, mas que foi suspenso em razão do atraso”.

A outra situação pontuada pelos moto-taxistas é a aquisição do material no Estado de São Paulo e segundo Argemiro qualquer empresa poderia efetuar a venda dos coletes, desde que fossem atendidas as exigências do IMETRO, o que não ocorreu no município.

Leia também:  Prefeitura abre inscrições para eventos paralelos à Feciti

O secretário enfatizou que a SETRAT não comercializa os coletes e apenas serviu de intermédio para que todos os profissionais adquirissem o colete de acordo com o estabelecido pelo IMETRO. Como forma de tentar amenizar o problema Argemiro disse conseguiu uma prorrogação do valor de R$ 78 até a próxima sexta-feira (11/05), caso não ocorra o pagamento o valor voltará ao preço normal, R$ 150. Em cidades como Cuiabá-MT e Campo Grande-MS os coletes custam R$ 140 e R$ 160 respectivamente.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.