Imagem de vídeo postado no Youtube nesta quinta-feira (7) mostram duas crianças que teriam sido mortas no massacre de Hama

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, declarou nesta quinta-feira (7) que o presidente sírio, Bashar al Assad, deve deixar a Síria, considerando “inadmissível” o último massacre cometido nesse país.

“A violência apoiada pelo governo, de que fomos testemunhas ontem em Hama, é simplesmente inadmissível”, declarou Hillary em uma entrevista coletiva à imprensa em Istambul.

Dezenas de pessoas, incluindo mulheres e crianças, foram mortas nesta quarta-feira (6) na região de Hama, no centro da Síria, segundo o CNS (Conselho Nacional Sírio), principal coalizão opositora, denunciando mais um “massacre” praticado pelas forças do governo.

Hillary disse que uma solução para a crise na Síria precisa de um cessar-fogo, de uma transferência de poder e da formação de um governo interino representativo.

Leia também:  Grande inundação que atingiu os EUA deixa milhares de pessoas desabrigadas

— Assad tem que deixar o poder e abandonar a Síria.

Hillary debateu ontem com representantes de 16 países, entre eles vários países árabes e europeus, formas para aumentar a pressão sobre o regime de Damasco para obter mudanças políticas.

Clinton reconheceu que, até agora, os Estados Unidos fracassaram em impulsionar uma ação internacional que tivesse impacto sobre Assad.

— Devemos reiterar nossa união, devemos enviar uma clara mensagem a outras nações que ainda não estão trabalhando conosco, ou que, inclusive, estão apoiando ativamente o governo Assad, de que não há futuro nisso. E, certamente, planejar uma transição ordenada será um passo importante.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.