A partir do próximo ano, deverá ter início a vacinação canina contra a leishmaniose visceral no município, que se repetirá anualmente, desde então. De autoria do vereador Adonias Fernandes (PMDB), projeto de Lei neste sentido foi aprovado pela Câmara de Vereadores, na sessão ordinária da última quarta-feira, dia 20, especificando que a vacinação será feita, gratuitamente, pelo Poder Executivo e que ocorrerá mediante campanha anual de vacinação, a ser amplamente divulgada pelo Município.

Justificando, o parlamentar destaca que seu projeto encontra respaldo no fato de que transmitida ao homem pela picada do mosquito flebótomo, conhecido popularmente como mosquito palha, a leishmaniose é uma doença crônica que pode afetar os órgãos internos, causando febre, emagrecimento, anemia e a diminuição da capacidade de defesa do organismo, entre outros males. “Nossa proposição representa não apenas o combate a um problema de saúde pública, como também uma resposta a uma necessidade real da população. O número de cães infectados é assustador e o índice de animais sacrificados em clínicas veterinárias é crescente, fazendo-se necessário desenvolver, pela municipalidade, ações de controle da doença, através da oferta, gratuita, da vacina contra a leishmaniose visceral, a todos os cães da cidade”, ressaltou ele.

Leia também:  Rondonópolis e outros 10 municípios terão novas viaturas para reforçar a segurança

Projeto de castração

Adonias Fernandes foi procurado durante a semana, por simpatizantes, apoiadores membros da ONG Cantinho dos Animais, para que apresente projeto de lei já na próxima semana, com o intuito de implantar serviço de castração aos bichinhos. Tal projeto vai destacar vantagens da castração aos cães, tais como auxílio no controle da população canina e felina, diminuindo consideravelmente o número de animais abandonados e os maus tratos; evitar a Piometra ou Infecção uterina, em especial nas fêmeas de mais idade; diminuir em quase 100% a chance de a fêmea desenvolver tumor de mama, se a castração for feita próximo ao primeiro cio. “Para os gatos, a castração diminui a chance de serem atropelados, envenenados ou se envolverem em brigas, pois ficam mais caseiros. Mas o mais importante, é que o nosso projeto irá criar condições de controle das zoonoses, principalmente quanto à disseminação da raiva e da leishmaniose, dentre outros”, destacou ele, adiantando que deverá ainda apresentar rubrica na LDO 2013, visando destinação de recursos para esses dois projetos. “Com isto, ambos já poderão ser implantados no próximo ano”, concluiu.

Leia também:  Loteamento Melchiades Figueiredo beneficiará 1500 famílias rondonopolitanas
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.