Mesa redondo sobre os impactos com a chegada da Ferronorte e a duplicação das BR- 163 e 364 . Foto Ronaldo Teixeira/AGORA MT

Os impactos com a chegada da Ferronorte e a duplicação das BR- 163 e 364 foram os temas da mesa redonda realizada nesta sexta-feira (01) na Câmara Municipal de Rondonópolis, que contou com a presença de membros do Governo Federal, Estadual, municipal, parlamentares, empresas e técnicos. O debate foi promovido pelo deputado federal Wellington Fagundes (PR) em parceria com as Comissões de Viação e Transporte (CVT) e Desenvolvimento Econômico Indústria e Comércio (CDEIC), da Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

De acordo com Wellington o objetivo expôs que o trecho da duplicação, entre Rondonópolis e o Posto do Gil, é uma obra fundamental para os dias atuais e tem ganhado maior importância com a realização da Copa de 2.014 e por essa razão é necessário traçar estratégias com celeridade e definir ações as serem implementadas no Estado, com o objetivo de tornar a chegada da ferrovia e a duplicação das rodovias uma oportunidade de investimento e crescimento para os municípios da região.

Leia também:  Município de MT registra tremor de terra e deixa moradores preocupados

Durante o evento o deputado relatou que uma pesquisa realizada no país e divulgada no primeiro trimestre deste ano pela Universidade de São Paulo, aponta que o risco de uma pessoa morrer no trânsito de Mato Grosso é o dobro do que se estivesse na capital paulista, que possui a maior frota do país. A preocupação está no fato de que se não for feito nada a situação pode ser agravada e é preciso fazer algo para mudar essa situação.

O prefeito de Rondonópolis, Ananias Martins de Souza Filho (PR) disse que a Mesa Redando é muito importante, pois com a duplicação das BRs e a instalação da Ferronorte com certeza irá trazer um crescimento para a região, mas é preciso saber qual será a atuação dos Governos Federal e Estadual, dos empresários para ajudar nas questões ambientais e sociais, pois os municípios podem não estar preparados para receber todo esse crescimento. “O progresso traz problemas e precisamos saber o que será feito para evitá-los e agora é a hora de discuti-los”.

Leia também:  Prouni abre inscrição para 77 mil bolsas em universidades privadas nesta segunda

O diretor executivo da Associação dos Transportadores de Cargas do Mato Grosso (ATC), Miguel Mendes, argumentou que é preciso cobrar das autoridades competentes a conclusão das obras das rodovias, pois foram construídas há cerca de 40 anos, o Estado e as cidades se desenvolveram, mas as rodovias continuam nas mesmas condições de quando foram construídas. Mendes ressaltou que se não for feito nada o problema de tráfego irá piorar, em razão chegada da Ferronorte que deve aumentar o fluxo de carros pesados de 20% a 30%.

Marcos Rodrigues, diretor de serviços e tecnologia da ALL, afirmou que o objetivo é que o terminal ferroviário de Rondonópolis seja implantado no inicio de 2.013 e que a empresa já está com todos os estudos e autorizações de impacto ambiental necessário para a implantação da Ferronorte. Marcos ressaltou que a unidade de Rondonópolis será a maior do Estado e que está sendo levando os problemas que ocorrem em outras estações portuárias para que não ocorra o mesmo em Rondonópolis.

Leia também:  Paranatinga e Juscimeira recebem Ações Integradas de Cidadanias

A Mesa Redonda foi dividida em três temas, o primeiro sobre a duplicação das BR-163 e 364, o segundo debate foi sobre o avanço dos trilhos da ferrovia senador Vicente Vuolo na região sul do Estado e por fim os projetos de desenvolvimento para a região sul de Mato Grosso.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.