Mais 90 celulares, 25 chips, 1.615 kg de drogas, dezenas de armas artesanais e até uma balança de precisão foram apreendidas novamente no presídio da “Mata Grande”. Desta vez, a revista aconteceu no anexo do presídio.

O diretor da unidade, Agno Sérgio Silva Ramos, contou que essas ações são continuidade do ‘pente fino’ que vem sendo realizado no presídio e que essa retirada dos materiais é que tem causado a revolta dos detentos.

“Felizes eles não estão porque estamos tirando deles os objetos que antes usavam livremente. Estamos monitorando eles 24h por dia e o que não for permitido com base na lei será retirado”, fala.

Agno contou que a comissão dos direitos humanos da Ordem dos Advogados de Rondonópolis (OAB) e o promotor Henrique Schneider estiveram hoje na unidade visitando as dependências da penitenciária para averiguar as denuncias de que os presos estariam sofrendo maus tratos.

Leia também:  Derf prende suspeito com armas, drogas, munições e R$ 7 mil

“Eles tiveram livre acesso e não encontraram nada de novo. Detentos feridos já havia e nós nunca escondemos isso, mas eles estão recebendo tratamento e estão bem. Em relação às outras denúncias à própria comissão viu que elas não procedem”, diz.

Segundo Agno as revistas vão continuar com o intuito de retirar o máximo de aparelhos da posse desses detentos. As visitas de quartas-feiras continuam suspensas, apenas aos domingos será permitida a entrada dos familiares.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.