Desmatamento na Amazônia Legal Brasileira recuou 74% em maio na comparação com o igual período do ano passado. Entre um intervalo e outro passou de 165 quilômetros quadrados para 42,5 quilômetros quadrados, indicou nesta quarta-feira (20) o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia – Imazon. Inverteu a posição dos estados que mais contribuíram com a destruição da floresta. Mato Grosso – que até abril concentrava 71% dos desmates – passou para a segunda posição no ranking ao concentrar 26% das ocorrências. Já o Pará absorveu 50% e ocupou o topo do ranking.

De acordo com o Imazon, Rondônia (9%), Amazonas (7%), Tocantins (6%) e Acre (2%) contribuíram com o restante dos desmates em maio. Neste mês, a maior parcela dos desmates, ou 70,5% ocorreram em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. Unidades de Conservação (8%), Terra Indígena (9,5%) e Assentamentos da Reforma Agrária (12%) concentraram o restante.

Leia também:  Moradores ficam apavorados com tempestade de areia que se formou em Campo Verde

Altamira (PA), com 10 quilômetros quadrados, Jacareacanga (PA) com 4,7 quilômetros quadrados e Porto Velho (RO), com 2,7, foram as cidades que mais desmataram em maio, apontou o relatório do Imazon.

À lista dos dez maiores estão também Dom Eliseu (PA) com 2,6 quilômetros quadrados, Nova Santa Helena (MT) com 2,6; Nobres (MT) com 1,9; Itaúba (MT) com 1,8; Apuí (AM) com 1,7; Araguaína (TO) com 1,5 e Colniza (MT) com 1,4 quilômetros quadrados.

Acumulado
O Imazon avaliou também o acumulado nos chamados dez meses do calendário de desmatamento, ou seja, de agosto de 2011 a maio de 2012. Mato Grosso e Pará lideram o ranking com 33% cada um do total desflorestado. Rondônia (19%) e Amazonas com 8% aparecem logo em seguida. Juntos, os quatro estados foram responsáveis por 93% do desmatamento verificado na Amazônia Legal.

Leia também:  Mato Grosso está em 2º lugar no ranking de focos de calor em 2017

Mato Grosso lidera o ranking do desmatamento em termos absolutos no acumulado. Foram 292 quilômetros quadrados de floresta atingidos, seguido de perto pelo Pará com 288 quilômetros quadrados; Rondônia com 165 quilômetros quadrados, Amazonas com 71 quilômetros quadrados; Roraima com 23 quilômetros quadrados; Acre com 20 quilômetros quadrados e Tocantins, onde foram 14.

Queda no acumulado
Quando comparado o resultado entre agosto de 2011 a maio de 2012 frente a agosto de 2010 a maio de 2011 houve redução de 39% no desmatamento na Amazônia Legal. Queda de 64% no Acre, 54% no Amazonas, 48% em Mato Grosso, 47% em Rondônia e 15% no Pará. Na contramão dos índices de baixa, aumento de 194% em Roraima e 61% em Tocantins.

Leia também:  Alunos trans e travestis poderão usar nome social em documentos acadêmicos na Unemat

De acordo com o Imazon, no Acre os desmates passaram de 55 quilômetros quadrados para 20. No Amazonas, de 155 para 71 respectivamente; Mato Grosso de 558 para 292; Rondônia de 312 para 165 e Pará de 339 para 288.

No entanto, em Roraima a destruição da floresta passou de 8 quilômetros quadrados para 23 entre agosto de 2010 a maio de 2011 a agosto de 2011 a maio de 2012. Já em Tocantins, de 9 saltou para 14.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.