Foto: verticalipi

O ministro Marco Buzzi, do Superior Tribunal de Justiça, deferiu em caráter liminar o Conflito de Competência impetrado pelo Treze, em que o clube questionava as decisões das justiças do Acre e de Rondônia que colocaram respectivamente Rio Branco e Araguaína na Série C do Brasileirão. Dono de uma liminar anterior que o coloca na competição nacional, o clube paraibano questionava a competência dos juizes acriano e tocantinense no caso, que ia de encontro ao que já fora decidido na Paraíba. Na prática, pelo menos em caráter provisório e baseado em decisão liminar, o Treze conquista a vaga na Série C e exclui o Rio Branco e o Araguaína, os outros dois clubes que pleiteavam a mesma vaga. A CBF reconhece a vaga como sendo do time acriano, mas por enquanto a justiça entende que essa é do Treze. Em seu parecer, o ministro-relator aponta a juíza Ritaura Rodrigues, da 1ª Vara Cível de Campina Grande, como competente para “resolver as medidas urgentes” e torna sem validade as liminares conquistadas pelos outros dois clubes na Justiça do Acre e de Tocantins.

Leia também:  Diretoria do União deve apresentar equipe dia 14

Os méritos da questão, no entanto, ainda serão julgados posteriormente pelo Superior Tribunal de Justiça, sendo que esta decisão tratou exclusivamente sobre qual dos três juízes tinha competência para decidir sobre o caso em primeira instância. O relator entendeu que a juíza paraibana era a competente por ter expedido a primeira das decisões. Apenas depois dela é que o acriano Anastácio Lima de Menezes Filho expediu liminar favorável ao Rio Branco e o tocantinense Sérgio Aparecido Paio expediu liminar favorável ao Araguaína. Pelo Twitter, o advogado trezeano Ari Filho comemorou o que ele chamou de “mais uma vitória do Treze”, ponderando que desta vez a conquista foi no STJ

CBF estuda ignorar liminares

Leia também:  Brasil joga primeira partida do Grand Prix em Cuiabá

A cada dia uma nova informação, uma ameaça, mais expectativa… Suspensas desde o dia 23 de maio – 3 dias antes da abertura oficial -, as Séries C e D continuam aguardando uma posição jurídica ou administrativa. Superior Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça Desportiva e CBF são as ‘instâncias’ capazes de resolver a situação. Agora, surge para esta terça-feira uma nova possibilidade: a diretoria da CBF prepara um encontro com o seu departamento jurídico e já se fala até em “ignorar o embate jurídico” e remarcar o início destas duas competições nacionais.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.