Parece que os problemas de estrutura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ainda não foram resolvidos. Os próprios policiais militares que atiraram contra o mecânico, Lázaro Augusto Hipolito Dias, tiveram que fazer o socorro e levá-lo até o Hospital Regional, já que o atendente do Samu informou que não havia ambulância disponível. Lázaro foi atingido com um tiro na perna após ter ameaçado um dos policiais com uma faca.

 

Advertisements
Leia também:  Projeto repetido

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.