Foto: assessoria

Representantes de segmentos sociais ligados ao Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) manifestaram apoio à iniciativa do senador Pedro Taques (PDT-MT) de liderar um movimento no Senado pelo fim do voto secreto. Nesta quarta-feira (13.06), o parlamentar recebeu das mãos do juiz Marlon Reis, presidente de honra do MCCE, documento contendo 65 mil assinaturas de brasileiros favoráveis à causa. As assinaturas foram coletadas em menos de 24 horas, por meio do portal Avaaz.org.

“Aqui no Congresso figura muito a vontade política, é o que dita a pauta da Casa. Tenho feito discursos todos os dias pelo voto aberto como forma de reforçar que esta é uma demanda legítima da sociedade e que fortalecerá a nossa democracia. O cidadão tem o direito de saber como vota o parlamentar do qual depositou a confiança”, afirmou o senador Pedro Taques.

Leia também:  Lideranças comunitárias participam de qualificação em Rondonópolis

Após encontro com o mato-grossense, o grupo foi recebido pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-MA), que se comprometeu a dar prioridade, na pauta da Casa, a todas as matérias que tratem da extinção ou limitação do voto secreto nas decisões, inclusive para perda de mandato. Sarney explicou que por conta do evento Rio +20, semana que vem no Rio de Janeiro, muitos parlamentares não estarão no Senado, impossibilitando a votação da matéria. De acordo com o senador, o fim do voto secreto deve entrar na pauta de votação daqui a duas semanas.

O diretor de campanhas da Avaaz, Pedro Abramovay, ressalta que o volume de assinaturas evidencia a receptividade da proposta entre os brasileiros. Segundo a diretora do MCCE, Jovita Rosa, organismos internacionais passaram a buscar nos segmentos sociais brasileiros modelos de organização e mobilização para implantar em outros países.

Leia também:  Projeto prevê isenção para estacionamento em área Zona Azul

“A idéia é tornar o processo de votação público e, assim, fazer um apelo ao Congresso para que encerrem de vez o voto secreto, uma das ferramentas mais úteis à corrupção. Assim como na Ficha Limpa, buscamos a participação popular para sensibilizar os congressistas”, avaliou o juiz Marlon Reis.

Participaram do encontro: CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil,) Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil), Unasus (União Nacional dos Auditores do SUS), Amb (Associação dos Magistrados Brasileiros), Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital), Associação de Peritos da PF.

Avaaz – é uma organização de campanhas global com mais de 14 milhões de membros e inteiramente financiada por pequenas doações de seus membros. No Brasil, são mais de 1.5 milhões de membros.

Leia também:  Grupos de quadrilha recebem Moção de Aplauso da Câmara Municipal
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.