O movimento de colheitadeiras nas lavouras de milho em Mato Grosso marca o início da colheita da safra. Embora de forma tímida, os produtores anteciparam-se e ainda no final de maio começaram a encaminhar as máquinas para o campo. Fato jamais visto no estado e antecipando em pelo menos três semanas o início dos trabalhos. Expectativa de colher nesta temporada a maior safra da história, estimada em 11,7 milhões de toneladas ou 67,8% maior frente ao ano passado.

Em Sapezal, a 473 quilômetros de Cuiabá, o produtor Raijan Mascarello já colheu em torno de 150 hectares dos 4,7 mil hectares que plantou entre o município e também Campos de Júlio, a 692 km da capital. “Creio que manteremos a produção de 80 sacas por hectare. A chuva caiu bem e o clima foi bom, por isso temos uma expectativa de manter a média”, contou o produtor, ao G1.

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Sapezal foi a primeira cidade do estado a puxar a colheita da safra 2011/12. Na maior parte dos municípios, explica o analista de mercado Cleber Noronha, produtores estão focados nos preparativos e calibragem das colheitadeiras.

Leia também:  Inscrições para curso gratuito preparatório para o Enem terminam nesta segunda

“Por enquanto ainda é bem tímida a colheita e chegou a 0,2% do estado. Os produtores estão entrando nas lavouras, regulando as máquinas. O indicativo de uma evolução grande será para a segunda semana de junho”, expressou. Nesta safra, 2,5 milhões de hectares foram cultivados.

Segundo explica Noronha, o maior volume de colheita está programado para inciar na segunda semana de junho. É neste período que aproximadamente 10% da área devem estar prontos. As chuvas acima da média e registradas entre o final de maio e o início de junho alteraram a programação nas lavouras.

Em algumas propriedades será preciso atrasar a entrada das máquinas em função do alto índice de precipitações. Em Sorriso, a 420 quilômetros de Cuiabá, Clair Valdameri conta que deve começar a colher somente nos próximos 30 dias. “Choveu bastante a atrasou a programação. O milho alagou porque está chovendo bastante. Todos os anos até o dia 20 de junho começo a colher, só este ano que atrasou”, comentou o agricultor.

Leia também:  Ex-prefeito Percival Muniz e mais quatro são condenados por improbidade administrativa

Valdameri está confiante em bons resultados e espera obter acima de 100 sacas por hectare.

No Araguaia, onde plantou 1,8 mil hectares distribuídos entre Vila Rica e Santa Terezinha, o produtor Hamilton Dauzáquio conta que a colheita deve começar somente nos próximos 20 dias.

Foi o primeiro ano em que cultivou milho na região. A expectativa é atingir 80 sacas por hectare, como destaca o produtor.

RECORDE X PREOCUPAÇÃO

A safra 2011/12 promete ser a melhor da história para Mato Grosso. A previsão de colher quase 12 milhões de toneladas consolida um novo recorde para o estado. Mas ao mesmo em que a safrinha ganhou status de ‘safrão’, acendeu-se a luz de alerta do setor produtivo quanto à capacidade para receber o cereal. Como lembra Carlos Fávaro, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), é preciso estar atento ao cenário.

Leia também:  Após grampos clandestinos Juiz manda prender ex-comandante e cabo da PM de MT

“Mais que aumentar a produção de milho precisamos de armazéns. Vamos chamar os produtores para se organizarem”, pondera o dirigente. A velocidade da comercialização também será determinante para os produtores, lembra Carlos Fávaro.

“A comercialização vem atrelada à armazenagem. Temos hoje cerca de 6 milhões de toneladas já vendidas, que é o tamanho da safra do ano passado. Se esse total rapidamente entrar no armazém e for escoado vai abrir espaço para o milho que for colhido. O problema é se ficar estocado”, citou Fávaro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.