Mais de 100 pessoas, em sua maioria mulheres envolvidas na luta por seus direitos, protestaram nesta quarta-feira (11) em Cabul contra a recente execução filmada de uma afegã suspeita de adultério.

A vítima, Najiba, de 22 anos, foi assassinada com 10 tiros diante de vários homens, reunidos para assistir sua morte em um pequeno vilarejo da província de Parwan, 100 km ao norte de Cabul. A execução sumária aconteceu depois que foram recitados trechos do Alcorão de condenação ao adultério. O ato foi saudado com gritos de “viva o islã” e “vivam os mujahedines”.

As autoridades afegãs informaram que os assassinos eram talibãs, que aplicavam este tipo de pena quando estavam no poder (1996-2001).

Leia também:  Sete toneladas de marfim são confiscada em Hong Kong totalizando a maior apreensão em 30 anos

“Queremos justiça”, gritavam as manifestantes, que marcharam entre o ministério das Mulheres e a Praça Zanbaq, a poucos metros da sede da presidência.

“A execução de uma mulher pelos talibãs é um crime. O governo deve fazer tudo para levar os culpados aos tribunais. É seu dever fazer justiça”, afirmou a parlamentar Shyikai Karaojail.

As manifestantes também pediram ao presidente Hamid Karzai e a seu governo que atuem em favor da causa das mulheres, ao invés de apenas manifestar emoção com os atos que afetam as vítimas.

Sahar Gul, uma adolescente de 15 anos, liberada em janeiro depois de ser torturada pela família do marido durante seis meses, um caso que provocou comoção mundial, participou na manifestação ao lado de uma jovem que teve o rosto queimado com ácido por rejeitar um casamento forçado.

Leia também:  Golpe de assinatura grátis da Netflix circula via WhatsApp

De acordo com a ONG Oxfam, 87% das afegãs afirmam ter sido vítimas de violências físicas, sexuais e psicológicas ou de um casamento forçado.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.