Em média 100 reeducandas estão cumprindo pena ou prisão provisória na Cadeia Pública feminina de Rondonópolis, a diretora da unidade Noraney Alves  destaca que vem buscando realizar melhorias para o local e que hoje além dos atendimentos psicológicos, consultas médicas e de assistência social, um ponto muito importante para melhorar o trabalho de ressocialização são as aulas de alfabetização e as oficinas de pintura e artesanato.

Hoje 70% das reeducandas fabricam algum tipo de artesanato dentro da cadeia, a maioria das peças são feitas em crochê, entretanto algumas mulheres que não tem família na cidade dependem da doação de material para fabricar o artesanato. “Essa é a melhor forma de ocupar o tempo ocioso aqui dentro, recebemos doação de material de algumas igrejas, porém não é o suficiente, elas sempre precisam de barbantes, linhas e tintas”, ressalta Noraney.

Leia também:  A receita para um equilíbrio financeiro e uma vida mais tranquila

Além do crochê, aos sábados são ministrados cursos de reaproveitamento de retalhos e corte e costura, e por meio de uma parceria com o Senac, em breve as reeducandas poderão contar com cursos profissionalizantes na área da construção civil. “Aos poucos estamos conseguindo trazer novas opções de cursos, na área de corte e costura a principal dificuldade é a falta de máquinas adequadas, por isso as doações se tornam muito necessárias” concluiu a diretora.

A Cadeia Pública está localizada no Residencial Sagrada Família em Rondonópolis, o telefone é o (66) 3422-5193.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.