O sojicultor Hélio Goulart (DEM), gaúcho de Santa Rosa, chegou a Guiratinga há 30 anos e depois de despontar na área do agronegócio, onde foi pioneiro na região, fez história ao se tornar prefeito do município nas eleições de 2004 e realizar um governo considerado histórico.

De 2005 a 2008 Hélio colocou a casa em ordem, restaurou a credibilidade, adquiriu um bom parque rodoviário investiu em saúde e educação e promoveu um amplo trabalho de urbanização da cidade, hoje vista como uma das mais arejadas do Estado. “Foram tempos de mudança e o Hélio conseguiu fazer em 4 anos aquilo que os outros não fizeram em 40”, exagera um admirador.

Depois de ganhar a admiração da população guiratinguense, Hélio viu-se impedido de disputar a reeleição, devido a um processo sobre acidente de transito que transitou em julgado aquela época. Hélio lançou, então, Gilmar Mocellin, atual prefeito, também da área do agronegócio, que seguiu seus passos e vem realizando uma administração empreendedora no município.

Leia também:  Alta Floresta emprega mão de obra de reeducandos em reformas e limpeza de espaços públicos

Mocellin, contudo, assumiu compromissos familiares de não ficar mais que quatro anos na área pública e, assim, não aceitou disputar a reeleição. Hélio, pressionado por companheiros e pela população, resolveu aceitar o desafio de disputar um novo pleito para continuar fazendo Guiratinga avançar na busca da reconquista de uma nova dinâmica econômica que possa lhe trazer de volta o pleno desenvolvimento.

As últimas pesquisas para consumo interno de diversos partidos políticos colocam o sojicultor com ampla dianteira sobre seu adversário, vereador Fernandinho, que resolveu sair pelo PMDB.

Depois de fazer de Guiratinga uma cidade urbanisticamente correta e arrumar a casa em todos os sentidos, com avanços na saúde, educação e infraestrutura, Hélio sabe que a tarefa futura é árdua. Ele acredita que o grande desafio é criar condições de geração de emprego e renda. Aposta em três filões econômicos que tem mostrado visibilidade na região do Garças: a construção de 10 PHCs – Pequenas Centrais Hidrelétricas no rio Garças, o asfaltamento da MT-110 na direção de Tesouro e Alto Garças e a construção de fornos para a produção de liga de manganês dinamizando um polo industrial que aproveite as enormes jazidas de manganês e ferro que foram descobertas no município e região.

Leia também:  Operação Bairro Seguro | Prende 13 em flagrante e quatro por mandados de prisão

“É preciso que o município continue nas mãos de gente com responsabilidade para que uma segunda etapa de iniciativas concretas possa alcançar o objetivo maior da nossa sociedade que é a geração de emprego e renda. Isso não se consegue com conversa fiada, mas, com atos lúcidos, determinados e com o correto gerenciamento dos recursos”, disse Hélio Goulart animado com a possibilidade do seu retorno a prefeitura municipal.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.