O acordo ministerial sobre a Síria que foi mediado no sábado (30/06) pelo enviado internacional Kofi Annan marcou uma mudança nas posições da China e da Rússia, até então em discordância com as potências ocidentais, disse o porta-voz de Annan na terça-feira (03/07).

Pequim e Moscou usaram repetidamente seu poder de veto para impedir qualquer iniciativa árabe e ocidental de isolar e afinal derrubar o presidente sírio, Bashar al Assad, que há 16 meses reprime uma rebelião com violência.

“Será uma estrada longa e acidentada. Mas acreditamos sinceramente que os compromissos assumidos no sábado em Genebra foram genuínos e, se aplicados conforme prometido terão um efeito sobre a dinâmica no terreno”, disse o porta-voz de Annan, Ahmad Fawzi, a jornalistas.

Leia também:  Quinze pessoas desaparecidas e mais de 20 mortes são causadas por forte tempestade nos EUA

“Não se esqueçam que muitas forças deram as mãos aqui no sábado… Não subestimem o grau de uma mudança que aconteceu aqui no sábado, especialmente nas posições russa e chinesa, para aceitar o princípio de uma mudança política.”

Grandes potências e países vizinhos à Síria prometeram apoio a um eventual governo sírio de transição, embora Annan não tenha conseguido conciliar as diferenças entre o Ocidente e a Rússia (esta com apoio da China) sobre se isso implica ou não o afastamento de Assad.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.