Uma campeã olímpica descalça e muito risonha, Sarah Menezes atravessou do pódio à sala de entrevistas do Excel de Londres deixando os chinelos para tras com o ramalhete de flores bem seguro nas mãos, tanto quanto a medalha de ouro do judô, da categoria até 48 kg – enorme nas mãos da pequena atleta.

Pela primeira vez na história do esporte uma mulher sobe ao lugar mais alto do pódio. E levando, pelos menos por instantes, o Brasil ao inédito topo do quadro de medalhas, graças também ao bronze de Felipe Kitadai, da até 60 kg.

– Representa tudo da minha vida. Estou muito feliz mesmo. Ainda estou muito emocionada com a medalha e quero dividir com todos que estiveram comigo na minha carreira.

Leia também:  Brasil começa a Copa enfrentando Suíça, Costa Rica e Sérvia

Sarah agradeceu também a Rosicléia Campos, técnica da equipe brasileira, e disse que se sentiu muito bem desde que entrou na Vila Olímpica, conseguiu segurar a emoção e pensava em luta a luta até chegar ao ouro. Meu pensamento deu certo, até chegar à medalha olímpica.

– Fiz um trabalho psicológico muito forte com a Luciana Castelo Branco. Eu sentia muito a pressão e em Olimpíadas você sente ainda mais. O trabalho fez com que eu conseguisse lutar bem e o ouro chegasse. Já me senti muito bem na Vila Olímpica, dormi bem, estava bem aqui, para as lutas.

Sarah, 1,54 m e apenas 22 anos, que participou dos Jogos de Pequim 2008, disse ainda que espera um trabalho ainda mais forte em Teresina, com o judô, sem precisar sair de casa, com equipamentos do COB também para outras atletas que lá treinam.

Leia também:  Outubro rosa: câncer de mama atinge mulheres cada vez mais jovens

Damiano Martinuzzi, técnico da belga Charline van Snick, já avaliou de cara a brasileira Sarah, que venceria sua atleta, com uma observação surpreendente.

– Penso que ela será campeã olímpica. Ela é muito, muito, muito forte.

Enquanto a festa era brasileira na arena do judô, os japoneses mostravam total decepção, dos atletas aos técnicos e dirigentes e mesmo jornalistas – derrotados em seu esporte nacional. Tomoko Fikumi, vice-campeã mundial em 2011, saiu chorando.

E Alina Dumitru, a romena que defendia seu título olímpico, confirmou que para com o judô depois destes Jogos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.