A Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT), por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde, realizou a capacitação do Projeto Superando Barreiras, que realizado nesta quarta-feira (29), em período integral, no auditório da Asssociação Mato-grossense dos Municípios (AMM).

O evento tem como objetivo promover ações da atenção integral às mulheres que sofrem violência sexual na rede de serviços de saúde. A capacitação visa ainda apresentar as atividades desenvolvidas pelo Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas acordados na Norma Técnica do Ministério da Saúde baseada em leis da autoridade jurídica da permissão do aborto dentro do contexto legal.

No Brasil, o Ministério da Saúde já tem um estudo operacional na inserção de hospitais públicos para o atendimento integral às mulheres que sofrem violência sexual. A discussão em Mato Grosso primeiramente visa capacitar hospitais na implementação desse atendimento, ao mesmo tempo em que vai direcionar as mulheres sobre a busca de atendimento adequado caso sofra violência sexual.

Leia também:  Servidores da Mata Grande e do estado fazem paralisação por não cumprimento de promessas de Taques

Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde da SES/MT, Juliano da Silva, o projeto pretende auxiliar o profissional de saúde na organização de serviços e no desenvolvimento de uma atuação eficaz, bem como garantir o pleno exercício dos direitos humanos das mulheres.

A meta do projeto também é tratar de outros riscos que a violência produz, como a contaminação por doenças sexualmente transmissíveis, como o HIV, DSTs, gravidez indesejada, possíveis quadros de distúrbios psicossomáticos, quadros de depressão, síndrome do pânico e ansiedade, entre outros riscos que acometem as mulheres.

Para a realização do estudo operacional em Mato Grosso, serão convidados a participar da capacitação 13 municípios referência do Estado (Alta Floresta, Cuiabá, Colíder, Barra do Garças, Rondonópolis, Cáceres, Água Boa, Várzea Grande, Tangará da Serra, Sinop, Juina, Canarana e Sorriso), respeitando os critérios de indicação do Ministério da Saúde.

Leia também:  BR-364 é interditada entre Rondonópolis e Cuiabá nesta terça
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.