Foto: Agecopa / VLT

O juiz da 1ª Vara Federal de Mato Grosso, Julier Sebastião da Silva, determinou nesta quinta-feira (16) o retorno das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá, anteriormente suspensa pela própria Justiça Federal. O modal de transporte público foi escolhido pelo governo para atender a demanda de usuários para a Copa do Mundo de 2014.

Mas o Ministério Público Federal havia pedido suspensão do contrato firmado depois de detectar suspeitas de irregularidades e até superfaturamento. No entanto, conforme despacho do magistrado, as provas apresentadas pela Procuradoria não foram suficientes para interromper o processo licitatório e o contrato é considerado válido.

“Nesse sentido, as provas até então amealhadas não foram suficientes a afastar a legitimidade do procedimento licitatório, bem como a validade do instrumento contratual já firmado por um ente público e em fase de execução a ponto de obstar sua continuidade”, consta trecho da decisão.

Leia também:  Policiais militares auxiliam nas negociações durante desocupação

O juiz federal ressalta também a “inexistência de qualquer alegação por parte do Ministério Público no tocante a possíveis vícios existentes no contrato”. O Consórcio Cuiabá parou a obra no último dia 9 após ser notificado da decisão de suspensão pela Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa). A liminar concedida nesta data também determinou a interrupção do repasse de dinheiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a execução da obra e ainda ordenou o bloqueio de eventuais valores já liberados.

Na Ação Civil Pública que provocou a suspensão da obra, o Ministério Público Estadual (MPE) e a Procuradoria da República alegaram juntos que existem indícios de que a obra orçada em R$ 1,4 bilhão possa estar superfaturada, além de apresentar supostas irregularidades na licitação pelo Regime Diferenciado de Contratação (RDC). O secretário da Copa, Maurício Guimarães, negou as duas irregularidades à reportagem.

Leia também:  Governo lança licitação para pavimentação da MT-130 em Paranatinga

O procurador-geral do estado, Jenz Prochnow Junior, recorreu da liminar e participou de uma audiência na tarde desta quarta-feira (15) agenda pelo juiz federal Julier Sebastião para apresentar as alegações sobre a suspensão.

O juiz substituto da 1ª Vara Federal, Marllon de Souza, foi quem determinou a suspensão após avaliar que a obra não deve ser entregue a tempo para a Copa, uma vez que o extrato do edital de contratação, publicado no Diário Oficial da União de 20/06/2011, informa que a obra de implantação do VLT tem como prazo de execução o período de 720 dias.

Em relação à questão tarifária utilizada também como fundamento para a não adoção do modal VLT, o magistrado apontou que embora o valor tarifário ainda estar sob análise, já que deverá haver o redimensionamento da rede integrada, “ a previsão é de não consistir em diferença significativa em relação ao que seria cobrado na hipótese de implantação do BRT, como vem sendo sustentado pelos autores da demanda”, diz trecho do despacho.

Leia também:  Federação dos Hospitais Filantrópicos de Mato Grosso lança nota em relação aos repasses atrasados pelo Governo
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.