O cozinheiro G.B. (38) foi preso pela Polícia Militar (PM) pela suspeita de ato obsceno contra a menor T.C.V. (17), na noite desta segunda-feira (06/08), no bairro Jardim Primavera.

A menor T.C.V. informou a PM que estava no computador quando seu padrasto, o cozinheiro G.B., passou a mão em sua perna e, em seguida, o homem passou a mão no próprio órgão genital. A garota afirma que o padrasto mandou a irmã de 12 anos da vítima para que fechasse o portão da casa e saísse do local e os dois pudessem ficar sozinhos.

A menina falou aos policiais que seu padrasto G.B. deixou o órgão genital masculino de fora e chamou a vítima para fazer sexo. Quando a menor T.C.V. se irritou e negou a ação, segundo ela, seu padrasto teria lhe agredido com um murro no rosto.

Leia também:  Gaeco prende ex-policial militar envolvido em crime organizado

Já o cozinheiro G.B. disse a PM que pediu para que sua enteada T.C.V. colocasse as roupas na máquina, mas a garota desobedeceu. O homem afirmou que pediu para a menina de 12, irmã de T.C.V., para que fechasse o portão a fim da vítima fazer o serviço de casa, mas a garota começou a xinga-lo.

G.B. explicou que agrediu a menor de 17 anos com tapas para que a mesma lhe obedecesse e parasse de gritar. Padrasto e enteada foram encaminhados para o Centro Integrado de Segurança e Cidadania (CISC) para prestar esclarecimentos.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.