Os agentes da Polícia Rodoviária Federal de Mato Grosso decidiram em assembleia geral aderir ao movimento grevista dos servidores federais. A reunião foi realizada na última quinta-feira (17) e dentre as principais reivindicações dos servidores estão o reajuste salarial, a reestruturação da carreira e do órgão, o aumento do efetivo e a realização de concurso público para a área administrativa, devido à utilização de funcionários terceirizados para o setor.

O Diretor Parlamentar do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais em Mato Grosso, Inspetor José Medeiros afirma que a situação da categoria ficou insustentável, pois as perdas acumuladas ao longo dos anos com a inflação, já chegam a 75% e a proposta do Governo é repor apenas 15,8% em três anos, o que não foi aceito pela categoria.

Leia também:  Mato Grosso está em 2º lugar no ranking de focos de calor em 2017

Neste período de greve apenas os serviços essenciais serão atendidos, como acidentes com vítimas. Estre os serviços que serão suspensos estão escoltas, fiscalização de trânsito, combate ao tráfico, confecção de Boletins de Ocorrências.

Segundo José Medeiros o esperado é que o Governo até quinta-feira apresente uma proposta que seja viável para a categoria. “A PRF é uma política barata para o governo, pois  além de gerar receita, cada agente faz o serviço de diversas categorias economizando assim para o governo federal e até estadual, pois através de convênios a PRF tem feito por exemplo o combate a crimes tributários, na esfera federal tem sido constante o combate ao crime ambiental,  como apreensões de madeira, pássaros, peixes, atividades estas que em tese teriam que ser exercidas por outros órgãos”, finaliza Medeiros.

Leia também:  Confresa é líder em resgaste de trabalhadores em situação semelhante a escravidão

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.