Duas professoras do Departamento de Educação do Campus de Rondonópolis da Universidade Federal de Mato Grosso participaram da criação da Sociedade Brasileira de Alfabetização – SBAlf. Cancionila Janzkovski Cardoso foi eleita membro da diretoria, representando a região Centro-Oeste e Lázara Nanci de Barros Amâncio integrará o Conselho Fiscal da SBAlf.

Idealizada por um grupo de pesquisadores da Educação a Sociedade Brasileira de Alfabetização, a SBAlf, foi criada oficialmente no último dia 18 de julho, em assembleia realizada no Salão Nobre da Faculdade de Educação da Unicamp, durante o 18º Congresso de Leitura do Brasil. Na Assembleia de Criação foi apresentado o histórico e estatuto da SBAlf, além da definição, por meio de eleição, dos membros da diretoria para o biênio 2012/2014. Os membros eleitos são pesquisadores-docentes de diversas universidades brasileiras com destacados desempenho na área de Educação, especialmente em estudos sobre alfabetização.

Leia também:  Inscrição do Ensino Médio e Superior do IFMT Rondonópolis encerra dia 8 de outubro

Para Cancionila J. Cardoso a criação da SBAlf é de suma importância para um país com problema crônico de analfabetismo como é o Brasil. “No momento atual, já temos muitos estudos sobre este fenômeno que com a criação da SBAlf vão encontrar lugar para dar maior visibilidade a estas pesquisas. Não temos soluções prontas para o analfabetismo brasileiro, mas visualizamos na SBAlf um grupo coeso, organizado, fundamentalmente plural, que poderá produzir novas soluções para diminuir o analfabetismo no país”, salientou.

De acordo com membros da diretoria, a criação da SBAlf se justifica pela necessidade tanto de posicionamento articulado, organizado e sistemático por parte da sociedade civil brasileira frente às políticas de alfabetização no Brasil quanto de divulgação e discussão, em fóruns nacionais e internacionais, do expressivo volume de pesquisas acadêmico-científicas brasileiras sobre o tema. Pretende-se, assim, que seja entidade independente em relação tanto a órgãos governamentais quanto a instituições e entidades de ensino e pesquisa.

Leia também:  Carga de algodão pega fogo e assusta motorista de carreta em Rondonópolis

Seus principais objetivos diz respeito a congregar representantes da sociedade civil, tais como, pesquisadores vinculados a grupos/núcleos e centros de pesquisa voltados à produção e divulgação de conhecimentos sobre alfabetização; professores do ensino superior e da educação básica, associações/sindicatos, organizações não governamentais relacionados com a alfabetização, dentre outros interessados.

A ideia é que ela se constitua como referência para todos os envolvidos com políticas, pesquisas, ações educacionais e práticas de alfabetização no Brasil, caracterizando-se como instância aglutinadora, propositora e moderadora de políticas e propostas para a alfabetização no país e contribuindo para o fortalecimento da representação da sociedade civil no diálogo de pesquisadores e professores com órgãos governamentais.

Os nove membros eleitos são: Maria Socorro A. N. Macedo (UFSJ); Francisca I. P. Maciel (UFMG); Cláudia M. M. Gontijo (UFES); Maria do Rosário L. Mortatti (UNESP-Marília); Cecilia M. A. Goulart (UFF); Artur G. Morais (UFPE); Cancionila J. Cardoso (UFMT); Norma S. A. Ferreira (UNICAMP); e Cleonara M. Schwartz (UFES).

Leia também:  Número do Samu volta a funcionar após problema devido às chuvas

Em 2009 o projeto de criação foi apresentado na 32ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Foi amparado por um grupo de pesquisadores, também professores universitários, envolvidos com a reflexão sobre problemas e perspectivas de avanços em alfabetização no Brasil.

A proposta foi aprovada em 2010, no I Seminário Internacional sobre História do Ensino de Leitura e Escrita (SIHELE) e no GT – “Alfabetização, leitura e escrita”, durante a 33ª. Reunião Anual da ANPEd. A sede provisória está localizada na Unesp de Marília.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.