Por traição, impotência sexual, ignorância e outros motivos, 56 pessoas tentam anular casamento religioso junto ao Tribunal Eclesiático Interdiocesano de Mato Grosso. A maioria é mulher e pretende se casar de novo na Igreja Católica, de acordo com o padre Luiz Izidoro Molento, presidente da instituição. O processo de nulidade, que tramita em sigilo, pode demorar de um a três anos para ser concluído, dependendo da complexidade, como afirma o padre.

Segundo ele, desde que o Tribunal foi criado em Mato Grosso, em agosto de 2011, uma união foi considerada nula, um ano após a implantação da instituição. “Tem 15 em fase discussória, um passo para a fase final”, disse, ao explicar que há casos de homens que se casam porque a mulher estava grávida e se sentiram na obrigação. “Há aqueles que se casam por imaturidade psicológica, sem pensar nas consequências, e quem casa por obrigação, só para dar satisfação para a família”, enfatizou o padre.

Leia também:  Obras do 1° posto de pesagem e fiscalização iniciam na BR-163

Apesar de não constar como uma falha que pode levar à anulação, “a infidelidade é a prova de que a pessoa não queria se casar com a outra e como não queria se casar arrumou outra”. Conforme o padre, durante a tramitação processual é dado o direito para que as duas partes se manifestem. No entanto, dependendo do caso, é concedida a anulação mesmo que uma delas não estiver de acordo. “É um direito de quem quer se separar”, frisa.

Os interessados em anular o casamento vão desde pessoas que se casaram há menos de um ano, até quem já ficou mais de 20 anos casado. No entanto, a maioria é mulher. Das 56 pessoas, 34 são mulheres. A maioria, porém, já está divorciada e mora em casa separada.

Leia também:  Governo estende até 31 de dezembro o prazo de decreto para atualização no Simcar

No processo de declaração de nulidade são analisados 18 ‘defeitos’ do casamento, de acordo com o padre Luiz Izidório. Entre eles, a impotência sexual; idade menor do que a permitida pela igreja, que é de 14 para mulher e 16 para homem; grau de parentesco; ignorância quanto ao matrimônio em si e honestidade pública, quando uma das partes mantém um concubinato notório e público.

Também é passiva de nulidade uma união com pessoas de religiões extremamente diferentes, como do judaísmo e islamismo, por exemplo. Além disso, podem ingressar com pedido de anulação alguém que tenha sido condenado por matar o marido da mulher apenas para concretizar o casamento.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.