Foto: assessoria

O ministro Marco Aurélio demonstrou,  preocupação com o comportamento do relator do mensalão, Joaquim Barbosa, uma vez que ele deve assumir a presidência do STF (Supremo Tribunal Federal) quando o atual presidente, ministro Ayres Britto, se aposentar.

Um dia depois da discussão entre Barbosa e o ministro revisor do processo, Ricardo Lewandowski, no plenário, Marco Aurélio declarou que teme que o temperamento do colega possa interferir nos trabalhos dele presidindo a Corte. Para Marco Aurélio, um presidente deve exercer o papel de conciliador e demonstrou desconfiança quanto à coordenação de Barbosa à frente do STF.

– Eu fico muito preocupado diante do que percebo no plenário. O presidente é um coordenador. Ele é um algodão entre cristais. Não pode ser metal entre cristais.

Leia também:  Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo

Marco Aurélio chegou a questionar se o plenário vai eleger Joaquim Barbosa como presidente do Supremo. Em novembro, quando Ayres Britto completar 70 anos e se aposentar, Barbosa assume interinamente porque é vice-presidente. Mas, de acordo com Marco Aurélio, ainda haverá uma eleição, na qual o voto é secreto, para que os ministros escolham o novo presidente.

Normalmente a eleição ocorre somente como um rito formal, pois é consenso entre os magistrados que o presidente deve ser aquele com mais tempo de Casa. Dessa forma, o procedimento apenas referendaria o cargo de Joaquim Barbosa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.