Foto: internet

Campinas, SP, 26 (AFI) – Não bastasse a má fase vivida dentro de campo, o Guarani volta conviver com os problemas na Justiça. Nesta sexta-feira, mais uma vez implodiu uma bomba no Estádio Brinco de Ouro: a casa do Bugre irá a leilão, no próximo dia 06 de dezembro, na Sala de Leilões do Fórum Trabalhista de Campinas, pelo descumprimento da de um acordo com a Justiça do Trabalho pela atual gestão de Marcelo Mingone (confira o despacho ao final da matéria). A informação é da Rádio CBN/Campinas.

Conforme o despacho da 1ª Vara do Trabalho de Campinas, o Brinco de Ouro será leiloado para quitar todos os processos trabalhistas contra o Bugre, que estão em fase de execução. Ainda segundo o documento, o estádio estava avaliado em R$ 210 milhões, em 2009, o que significa que não poderá ser arrematado por valor inferior a este. O time campineiro ainda pode recorrer da decisão.

O documento divulgado no site do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (TRT-Campinas) traz o ex-lateral-esquerdo Gustavo Nery como reclamante do processo. Entretanto, o advogado do ex-jogador, Leandro Laporta Costa, explicou que todos os processos em execução foram unificados no processo de seu cliente.

Leia também:  União e Cuiabá ficam no empate Luthero

“Houve uma unificação das ações em execução contra o Guarani neste processo do Gustavo Nery. Isso quer dizer que todos os processos trabalhistas em fase de execução estão anexados neste processo. São processos de todos o passivo trabalhista do clube, independente de ser jogador ou funcionário”, explicou Laporta.

O preço da “brincadeira”
Ainda não se sabe o montante das ações que estão em execução, já que o processo traz apenas os valores do crédito de Gustavo Nery. Segundo o documento divulgado pelo TRT, o valor cobrado pelo ex-lateral Gustavo Nery é de R$ 900 mil. No entanto, por conta dos descumprimentos, o valor já chega a R$ 1,5 milhão.

Bugre vai perder a sua casa?

Laporta explicou que o Guarani chegou a fazer um acordo com o TRT “para declarar todos os débitos e propor uma forma de pagamentos igualitária aos credores. O problema é que não cumpriram”. “Somente uns quatro ou cinco processos com valores maiores não foram unificados e serão tratados isoladamente”, explicou, confirmando que o time deveria depositar em juízo parcelas entre R$ 100 mil e R$ 150 mil.

Leia também:  Após ter um ano de altos e baixos Júnior Tavares não é certeza no São Paulo em 2018

No caso específico de Gustavo Nery, Laporta disse que havia feito um acordo durante a gestão de Leonel Martins de Oliveira, que também não foi paga. Foi realizado um novo acordo, porém, o presidente biônico Marcelo Mingone “decretou uma moratória” e passou a ignorar as dívidas das administrações anteriores.

“No primeiro acordo, parcelamos em dez vezes, mas não foi cumprido. Eu repactuei o acordo em mais 24 parcelas. Então, o Guarani pagou quatro ou cinco delas e parou de pagar novamente”, explicou.

A assessoria alviverde afirmou que Mingone deve se pronunciar sobre o caso, na próxima semana, em entrevista coletiva. A explicações tardias são, no mínimo estranhas. Isso porque a confirmação do leilão aconteceu, no dia 28 de setembro, e até hoje não havia sido comunicada pelo clube.

E agora, Mingone?

“Moratória” pode custar caro
Ao ignorar as dívidas anteriores do Bugre, Mingone pode fazer o clube pagar caro na Justiça. Prova disso, é que recentemente, o time viu sua dívida com o meia argentino Liberman aumentar em 10% por dar revelia, ou seja, faltou ao julgamento. A partir de então, a dívida passou a ser de aproximadamente R$ 1,8 milhão.

Leia também:  Corinthians vence o Fluminense de virada e se torna campeão brasileiro pela sétima vez

A atitude de Mingone também afeta diretamente alguns funcionários e jogadores que ainda estão no Bugre. Isso porque o clube simplesmente ainda não pagou os cerca de cinco meses de salários atrasados de 2011, resultados da desastrosa administração de Leonel Martins de Oliveira.

E o futuro?
Não bastasse isso, o Guarani ainda segue sem perspectivas de melhoras. Sem o acesso na Série B, o time não terá direito às cotas milionárias que a Rede Globo paga aos integrantes do Brasileirão. Hoje, o piso pago aos clubes da elite gira em torno de R$ 20 milhões anuais.

Além disso, o time deve receber algo em torno de R$ 200 mil das cotas do Paulistão 2013. A Federação Paulista de Futebol (FPF) pagará R$ 2,165 milhões aos clubes médios e pequenos. O problema é que comenta-se que Mingone já adiantou R$ 1,5 milhão. Sobraria então cerca de R$ 600 mil.

A FPF, entretanto, desconta ainda outros R$ 400 mil, referentes a alguns gastos, como direitos de arena, taxas de arbitragens, bolas, inscrições e transferências de jogadores, entre outros.

Confira abaixo o despacho publicado pelo repórter da CBN/Campinas Henrique Brazão:

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.