Imagem do satélite GOES mostra a movimentaçãoo de Sandy nesta sexta-feira (26) (Foto: AP)

O furacão Sandy se arrastava ontem sexta-feira (26) na direção da Costa Leste dos EUA, após ter matado pelo menos 40 pessoas no Caribe.

Meteorologistas disseram que a tempestade, que causa ventos num raio de mais de 400 quilômetros, começou a se fundir no topo da atmosfera com uma massa de ar polar sobre o leste dos EUA, podendo dar origem a uma “supertempestade” híbrida na região.

Alguns meteorologistas estão chamando essa forte tempestade de “Frankenstorm”.

“Os modelos estão sugerindo que a tempestade pode na verdade se tornar mais bem organizada ou se intensificar um pouco, não devido ao processo normal que esperaríamos de um ciclone tropical, mas mais com relação a esse fenômeno meteorológico “, disse Todd Kimberlain, meteorologista do Centro Nacional de Furacões (CNF) dos EUA, em Miami.

Leia também:  Obama se apresenta em tribunal para prestar serviço como jurado

A previsão atual é de que o Sandy chegue à costa norte-americana no começo da próxima semana, em algum ponto entre Virgínia, Maryland ou Delaware até Nova York ou o sul da Nova Inglaterra.

As autoridades municipais de Nova York cogitam interromper o tráfego urbano antes da chegada da tempestade.

O furacão já afeta a campanha presidencial norte-americana, a menos de duas semanas da eleição de 6 de novembro. Um assessor do candidato republicano, Mitt Romney, disse que ele cancelou um comício na noite de domingo em Virginia Beach, na Virgínia.

A campanha do presidente Barack Obama disse que ele está monitorando a situação. Sua agenda prevê compromissos no sábado em New Hampshire e na segunda-feira em Ohio e na Flórida.

O candidato republicano Mitt Romney cancelou um comício no litoral da Virgínia.

Leia também:  Herdeiro da Samsung é condenado a 5 anos de prisão por propina à ex-presidente

Um longo trecho da Costa Leste da Flórida está na sexta-feira sob alerta de tempestade tropical, e o estado de observação vigora até a Carolina do Norte. Ventos e chuvas causados pelo Sandy já eram sentidos em grande parte da Flórida, onde escolas fecharam e vários aeroportos registraram atrasos nos voos.

Na noite de quinta-feira, o Sandy foi rebaixado da categoria 2 para a 1 na escala Saffir-Simpson, depois de passar por ilhas pouco habitadas no sudeste das Bahamas, arrancando alguns telhados e provocando apagões.

As Bahamas registraram uma morte ainda sob investigação na ilha Lyford Kay, onde personalidades como o ator Sean Conney, o investidor Louis Bacon e o estilista Peter Nygard têm casas.

Em outros lugares do Caribe, o furacão provocou deslizamentos e enxurradas.

O governo de Cuba disse que 11 pessoas foram mortas na quinta-feira na ilha. Pelo menos 26 mortos foram registradas no Haiti, três na vizinha República Dominicana e três na Jamaica.

Leia também:  Incêndio de grandes proporções atinge shopping de Moscou

O número de mortos em Cuba foi excepcionalmente elevado para um país onde o regime comunista tradicionalmente se gaba da capacidade de retirar moradores de áreas ameaçadas por tempestades.

O CNF informou nesta tarde que o centro do Sandy se encontrava cerca de 695 quilômetros a sul-sudeste de Charleston, na Carolina do Sul, com ventos regulares de até 120 quilômetros por hora. Ele avança a 11 quilômetros por hora, o que é preocupante – quanto mais uma tempestade demora para passar, mais estragos ela pode causar.

Alguns especialistas alertam que o Sandy pode ser mais destrutivo que o furacão Irene, que causou prejuízos de US$ 4,3 bilhõess no ano passado nos EUA.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.