Reunião do Comitê Gestor Permanente do Plano MT Sem Miséria. Foto: Jana Pessôa/Setas-MT

Os esforços concentrados pelos governos federal, estadual e municipal no combate à extrema pobreza beneficiaram mais de 64 mil pessoas somente no primeiro ano de execução dos Planos Brasil e Mato Grosso Sem Miséria.

Os dados repassados pela União no relatório de um ano do Plano Brasil Sem Miséria foram apresentados nesta quarta-feira (03) aos membros do Comitê Gestor Permanente do Plano Mato Grosso Sem Miséria, que estão à frente das secretarias de Estado, como forma de alinhar ainda mais as ações governamentais.

O relatório contém indicativos positivos que levam em consideração o alcance de importantes programas de transferência de renda como Bolsa Família, Brasil Carinhoso e Panela Cheia, bem como outras ações implementadas pelo Estado com o foco na geração de emprego e renda, a exemplo do Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

“O desenvolvimento de ações voltadas ao combate das desigualdades sociais sempre foi uma das prioridades do Governo de Mato Grosso. Com o lançamento do Plano Brasil Sem Miséria, estas ações foram intensificadas na esfera estadual com a execução do Mato Grosso Sem Miséria, que leva em consideração as demandas e peculiaridades dos 141 municípios mato-grossenses”, informou o presidente do Comitê Gestor Permanente do Plano Mato Grosso Sem Miséria e secretário-chefe da Casa Civil, José Lacerda.

Leia também:  Dupla foragida da Justiça é presa em MT

Com inúmeras ações e programas distribuídos em três eixos de atuação (garantia de renda, inclusão produtiva – rural e urbana – e acesso a serviços públicos), o Plano Mato Grosso Sem Miséria já está servindo de referência para outros Estados.

Por indicação do Governo Federal, estados como Rondônia e Santa Catarina buscam em Mato Grosso informações para execução de programas voltados à população extremamente pobre e que vive em situação de vulnerabilidade social.

É o caso do programa de transferência de renda estadual, o Panela Cheia, que nos primeiros meses de implantação já beneficiou mais de seis mil famílias, como a do seu Elizeu de Campos e Divina Moreira, moradores da zona rural do município de Acorizal, que passaram a contar com benefício, somado ao recurso já recebido do Bolsa Família.

Leia também:  Tarifa do transporte intermunicipal fica R$ 0,40 mais cara a partir deste domingo (07)

“Para muitos, essa ajuda do Governo pode representar pouca coisa, podendo ser gasto em poucas horas, mas é com esse benefício, que estou conseguindo garantir o sustento da minha família durante o mês todo”, afirmou Seo Elizeu.

Nesta primeira etapa de execução do programa Panela Cheia, estão sendo atendidas famílias de 18 municípios mato-grossenses, com perspectiva de beneficiar, gradativamente, o estado como um todo.

“O engajamento de praticamente todas as secretarias estaduais, o apoio irrestrito da União e a participação efetiva dos municípios, foram fundamentais neste primeiro ano do Plano Mato Grosso Sem Miséria”, avaliou Roseli Barbosa.

Dados do Censo Demográfico de 2010 (IBGE) apontavam a existência de 174.783 pessoas extremamente pobres em Mato Grosso. Com a implementação dos Planos de Combate à Extrema Pobreza esse número foi reduzido para cerca de 110.600.

Leia também:  Detran iniciou primeira turma de Pilotagem Segura a motociclistas na Capital

E como forma de garantir mais avanços sociais para Mato Grosso, o Governo do Estado continua se articulando junto a União para ampliar o alcance das ações governamentais já existentes, assim como para proporcionar à população ato-grossense o acesso aos novos programas voltados à elevação da renda e melhores condições de vida.

“Mesmo com resultados positivos, sabemos que há um grande desafio pela frente. Comprometimento não nos falta na execução de ações que garantam o pleno exercício da cidadania e a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos mato-grossenses, em especial daqueles que mais precisam do apoio do poder público”, afirmou o governador Silval Barbosa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.