A menina Ana Clara Ribeiro de Souza, de apenas 2 anos, ficou sete meses com o nome sujo nos serviços de proteção ao crédito –SPC e Serasa– no Rio após ser apontada por uma empresa de telefonia móvel como dona de uma linha de celular com dívidas.

A menina era titular de um celular da Vivo e, segundo as cartas, teria deixado de pagar as faturas de março, abril e maio deste ano. No total, a dívida somava R$ 80,70. A empresa tinha o cadastro completo da criança, com nome, CPF e endereço.

O estelionatário mudou apenas a data de nascimento de Ana Clara: de 2010 para 1983. A pequena tem CPF desde o primeiro mês de vida por exigência do plano de saúde. A mãe da menina diz que o nome da filha só saiu da lista de devedores na última terça-feira (23), depois que a história foi divulgada por um jornal carioca.

Leia também:  Bezerra “quer” seu nome na lista de grampos ilegais
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.