Divulgação
A cantora e compositora Dolores Duran tem sua biografia contada em um livro.

Escrita pelo jornalista e produtor Rodrigo Faour, “Dolores Duran – A Noite e as Canções de uma Mulher Fascinante” chega às livrarias nesta semana.

Em mais de 500 páginas, 48 delas dedicadas a fotos, muitas das quais raras, a meteórica vida da cantora e compositora é esmiuçada. O livro repara injustiças históricas, ressaltando que, apesar de ter escrito uma série de letras sofridas, Dolores Duran era alegre, divertida e contadora de piadas.

Faour levantou para a obra toda a discografia de Dolores, além de suas composições e regravações de seus temas.O jornalista afirma que, “entre as mulheres, ela foi a compositora mais gravada da música brasileira”. “A Dolores teve mais música regravada do que a Rita Lee”, diz.

Leia também:  Vidente prevê tragédia de acidente com os cantores sertanejos Leonardo e Eduardo Costa

A biografia traz diversas histórias saborosas, contextualizando, com trechos de jornais dos anos 1950, a época em que Dolores brilhou.

A relação profissional do autor com Dolores começou em 2010, quando ele organizou a caixa “Os Anos Dourados de Dolores Duran” (EMI).

“Coletei uma série de depoimentos. Sentei para escrever o encarte e, quando me dei conta, já tinha mais de 20 laudas. Mostrei para minha mãe, e ela disse: ‘Você está louco? Vai colocar isso numa caixa? Isso dá um livro!'”

No passo seguinte, Faour recebeu autorização dos familiares de Dolores –a irmã, Denise Duran, e a filha adotiva e única herdeira da cantora, Maria Fernanda Virgínia da Rocha Macedo para tratar não só da vida artística, mas também da vida pessoal da biografada.

Leia também:  Incubus teve de 'reaprender a ser banda' para fazer novo disco com Skrillex, diz vocalista

Em 16 capítulos, o livro conta desde as origens de Adiléia Silva da Rocha, a Dolores, até sua morte, após um infarto, em 1959.

Conta o que pouco se sabia sobre a artista até então. O nascimento no bairro pobre da Saúde, no Rio, as mudanças de residência- morou em dez endereços diferentes até os 18 anos, as vitórias em programas de calouros, a assinatura de contrato na rádio Nacional, aos 19 anos, entre diversas outras passagens de uma vida curta, mas intensa.

Além de tocar em aspectos íntimos e pessoais da trajetória de Dolores,como os excessos boêmios para uma pessoa cardíaca, os diversos relacionamentos que ela teve, principalmente com músicos como João Donato, Billy Blanco e Paulo Moura, o livro ressalta, antes de tudo, a importância musical da artista.

Leia também:  São Paulo e o Rio recebe em junho os shows de Mel C, ex-Spice Girls

Em um país acostumado à fartura de intérpretes femininas, Dolores escreveu seu nome na história também como compositora talentosa.

Foram menos de 40 composições, mas o suficiente para imortalizar clássicos do cancioneiro nacional.

Os mais conhecidos, em parceria com Tom Jobim, como “Estrada do Sol” e “Por Causa de Você”. Sem falar em seu maior sucesso, “A Noite do Meu Bem” (composto apenas por ela), além de outros temas como “Ideias Erradas”, “Castigo” e “Solidão”.

“Só consigo compará-la ao Noel [Rosa], em termos de genialidade e vivência. O que dizer de uma pessoa que estudou até a 5ª série, que cantava em diversos idiomas, era autodidata, intelectual, politizada e que convivia em um ambiente machista e falava o que pensava?”, diz Faour.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.