O Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa começará um estudo que vai avaliar dois tipos de cirurgia bariátrica na cura do diabetes tipo 2 em pacientes “pouco gordos”, com obesidade grau 1.

O objetivo é fazer uma comparação entre três modalidades de tratamento: uma técnica cirúrgica experimental ainda não aprovada, a cirurgia bariátrica considerada clássica (bypass gástrico) e o tratamento clínico (apenas com medicamentos).

“Vamos dizer se a cirurgia experimental também funciona e se há vantagens entre uma e outra”, afirma Claudia Cozer, endocrinologista e coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Sírio-Libanês.

A tal da técnica experimental (gastrectomia vertical com interposição ileal) já esteve envolvida em polêmica: é a operação à qual o apresentador Fausto Silva se submeteu, apesar de a cirurgia não ser aprovada no país.

Leia também:  Enem terá 30 minutos a mais para provas de exatas

Segundo Cozer, há estudos mostrando sua eficácia, mas faltam mais evidências para que a cirurgia seja aceita.

“A gastrectomia vertical com transposição ileal precisa ser estudada para que a gente saiba definitivamente se ela é válida ou não”, diz Ricardo Cohen, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

De acordo com Bruno Geloneze, endocrinologista e coordenador do Laboratório de Investigação em Metabolismo e Diabetes da Unicamp, trata-se do primeiro estudo com desenho correto e, portanto, cientificamente válido sobre o tema.

NEM TÃO OBESOS

O estudo será feito em parceria com o Ministério da Saúde, e os voluntários devem ser pacientes do SUS, com diabetes tipo 2 e IMC (Índice de Massa Corporal) entre 30 e 35.

Leia também:  Chocolate tem substância que causa intoxicação em cachorros

Eles serão divididos aleatoriamente entre os três tratamentos e acompanhados por dois anos. O Sírio-Libanês está recrutando pessoas que se encaixem no perfil (veja quadro abaixo). Os interessados devem ligar para (11) 3155-1231 ou (11) 3155-0847.

Hoje, a cirurgia bariátrica só é autorizada no Brasil para quem tem IMC acima de 35.

No ano passado, porém, a Federação Internacional de Diabetes afirmou que a cirurgia pode ser uma opção para pacientes não tão obesos que não controlam o diabetes mesmo com o melhor tratamento medicamentoso.

Diversas pesquisas mostram remissão do diabetes entre 70% e 90% dos pacientes que fazem a cirurgia bariátrica. Em um estudo feito por pesquisadores brasileiros, incluindo Cohen, após seis anos de acompanhamento, a remissão da doença foi observada em 88% dos pacientes com IMC entre 30 e 35 operados com a técnica bypass.

Leia também:  Crise hídrica reduz frequência de abastecimento de água no país, aponta IBGE

Como em toda cirurgia, claro, há riscos. Segundo Geloneze, alguns problemas podem ocorrer quando se operam pessoas mais leves, como a perda excessiva de peso que leva à desnutrição.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.