Foto:informegeralitabuna

Um conflito entre índios caiabi e policiais federais deixou nesta quarta-feira (7) oito feridos às margens do rio Teles Pires, no norte de Mato Grosso.

Segundo a Polícia Federal em Cuiabá, o confronto ocorreu pela manhã, quando os policiais explodiam uma balsa usada pelos índios para extração ilegal de ouro no rio. Seis índios e dois policiais federais ficaram feridos.

A balsa pertencia a um cacique conhecido como Camaleão. Os índios chegaram atirando e lançando flechas, segundo a PF, e os agentes então revidaram.

A PF disse que os índios tentavam impedir a continuidade de uma operação de repressão ao garimpo ilegal na terra indígena caiabi, iniciada nesta terça-feira (6).

Leia também:  Vítima tem moto roubada ao parar em semáforo no Centro de Rondonópolis

Dois índios foram levados ao Hospital Regional de Alta Floresta, no extremo norte do Estado, e não corriam risco de morte, segundo a direção da unidade.

Os dois caiabi foram feridos a bala no braço, perderam muito sangue e ficaram em situação crítica até receberem os primeiros atendimentos no hospital.

Um deles foi operado em Alta Floresta, enquanto outro seria levado para Cuiabá, onde passaria por cirurgia vascular. Não havia informações sobre os outros índios feridos.

De acordo com a direção do hospital, os dois policiais, feridos a flecha, permaneceram acampados na base montada pela PF na área da operação, a pouco mais de 200 km da sede de Alta Floresta.

Leia também:  Depois de reunião com o governo, greve dos agentes penitenciários é suspensa

MOTIVO

A operação da PF na região do rio Teles Pires, batizada de Eldorado e que começou nesta terça-feira (6), foi desencadeada contra a extração de ouro em garimpos e terras indígenas na divisa entre Mato Grosso e Pará.

Com o conflito, a operação foi suspensa temporariamente, segundo a PF.

A operação buscou cumprir 28 mandados de prisão e 64 de busca e apreensão, em sete Estados (Mato Grosso, Pará, Rondônia, Amazonas, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul).

Segundo a PF, o ouro extraído de áreas indígenas e garimpos ilegais era comprado por empresas do mercado financeiro e vendido a investidores em São Paulo.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.