O plantio da safra 2012/2013 de soja ainda não terminou e o setor já estima aumento de 5,4% para o custo de produção para a próxima safra 13/14, que deverá ser colhida em 2014. Os produtores de Mato Grosso deverão desembolsar em média R$ 2.369 por hectare. Esta safra o valor estimado ficou em R$ 2.247 por hectare em outubro. O incremento devese à boa expectativa com a colheita do ciclo atual e alta do dólar, segundo entidades e produtores.

Os insumos (sementes, fertilizantes e defensivos) representam a maior parte dos gastos dos sojicultores, cerca de 47%, R$ 1.106 do custo total por hectare de soja plantado. O levantamento é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária de Mato Grosso (Imea). Ainda conforme dados do boletim, os principais gastos previstos para safra 2014 refere-se à semente 8% e os fertilizantes 3,4% e custo com a lavoura, de 13,1%, o maior projetado pelo Imea. De forma geral, as despesas com a lavoura incluem mão de obra, manejo, aplicações, colheita entre outros.

Leia também:  Paranatinga | Atleta de Jiu Jitsu conquista duas medalhas de ouro em campeonato internacional

Na safra 12/13 esse custo ficou estimado em R$ 145/ha. Para a safra 13/14 é de R$ 164. Já as sementes passaram de R$ 112/ha na atual safra para R$ 121/ha, acréscimo de 8%.

Daniel Latorraca, gestor do Imea, explica que a boa expectativa de produção para a safra 12/13 aliado aos preços que a soja vem sendo comercializada e a alta do dólar provocam a alta na estimativa de custo de produção para a safra 13/14. “Com uma boa expectativa de mercado, e valor do dólar acima de R$ 2,00, os custos de produtos importados, como por exemplo o fertilizante, se elevam”, explicou. Latorraca lembra que os valores irão variar para mais ou para menos até o início do plantio.

Leia também:  Ônibus com 44 romeiros de Várzea Grande pega fogo em SP

Algodão – Das três principais commodities soja, milho e o algodão, este último foi o único a registrar queda no valor médio do custo total na safra 2012/2013. Comparado outubro com setembro a retração foi de 1,8% e ficou em R$ 5,258/ha.

No mês de setembro o valor calculado era de R$ 5,357/ha. A principal queda foi para o custo da terra, 26,9%. Conforme Latorraca, com a proximidade do plantio a maioria dos produtores já fechou suas despesas. “Como já estão praticamento com o custo de produção fechado, é natural a queda. Outro fator são os preços do algodão que ainda estão baixos”, afirmou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.