A temática do trabalho escravo contemporâneo envolve inúmeras situações de degradação da saúde física e psíquica do trabalhador. Além do cerceamento de liberdade e más qualidade de higiene, alimentação e alojamento, temos ainda o uso de herbicidas sem equipamento de proteção individual, o turismo sexual e a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Outras circunstâncias do trabalho escravo são encontradas na longas e exaustivas jornadas de trabalho, com acúmulo de funções e recusa do pagamento de horas extras ou mesmo de atestados médicos, quando o trabalhador encontra-se doente.

O trabalho escravo está vinculado ainda com a degradação de biomas como o Cerrado e a Amazônia, locais onde a criação de gado e o plantio de monoculturas destroem as matas e florestas nativas e por vezes empregam trabalhadores em regime de degradação humana.

Leia também:  1ª Trans tem seu nome social incluído ao CPF em Rondonópolis

As inúmeras vertentes do trabalho escravo e suas consequências para a sociedade são  assuntos que podem ser abordados nas reportagens inscritas no 1º Prêmio Nacional de Jornalismo Coetrae-MT Dom Pedro Casaldáliga. Na próxima semana (entre os dias 12 e 14 de novembro), os jornalistas da região de Rondonópolis e Barra do Garças serão motivados a participar da iniciativa realizada pelo Governo do Estado.

As visitas às redações serão uma forma de aproximar jornalistas e fornecer maiores informações acerca do Prêmio de Jornalismo da Coetrae-MT. Será também uma oportunidade para saber melhor sobre o regulamento, a bonificação e as vertentes que norteiam o trabalho escravo contemporâneo.

O 1º Prêmio Nacional de Jornalismo Coetrae-MT Dom Pedro Casaldáliga é uma ação da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae-MT) e do Conselho Estadual do Trabalho (Cetb-MT), com o objetivo de instigar a elaboração de matérias jornalísticas que abordem esta problemática social. Cada uma das sete categorias oferece a premiação de R$ 15 mil e um bônus extra de R$ 20 mil para reportagem destaque da premiação.

Leia também:  ProUni | Aprovados na primeira chamada têm até hoje para confirmar informações

Para participar do prêmio é necessário inscrever uma matéria, cuja veiculação tenha ocorrido entre 18 de julho de 2012 e 30 de janeiro de 2013, data de encerramento das inscrições. A reportagem poderá ter o foco na prevenção e enfrentamento do trabalho escravo, bem como na reinserção social dos trabalhadores egressos do trabalho escravo.

Mato Grosso tem sido um das unidades federativas de maior destaque na implantação de iniciativas de combate ao trabalho escravo. Entre as ações desenvolvidas no Estado estão a criação da Agenda Estadual do Trabalho Decente, as ações do Projeto Ação Integrada (que dá ao trabalhador a oportunidade de aprendizado e reinserção social) e o projeto desenvolvido pela Organização Internacional de Trabalho Escravo (OIT) para combater o trabalho infantil.

Leia também:  Autora de livros reúne técnicas e dinâmicas em palestra na cidade

Outras informações sobre o prêmio podem ser obtidas pelo site www.mt.gov.br ou pelo email [email protected]

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.