Mais de 900 alunos de escolas públicas e particulares das cidades de Cuiabá e Várzea Grande participaram de palestras preventivas do programa “De Cara Limpa Contra as Drogas”, da Polícia Judiciária Civil, no mês de outubro deste ano. As palestras voltadas a discutir o enfrentamento da droga, a violência escolar e criminalidade são ministradas por policiais civis, voluntários do programa De Cara Limpa Contra as Drogas. Um média de 4 palestras são realizadas por semana junto a escolas, empresas e comunidades. Todas, segundo a coordenadora do programa, investigadora Caroline Infantino, são solicitadas pelos diretores, empregadores e lideranças comunitárias diante da necessidade fortalecer a prevenção junto ao público.

O investigador Adriano Moreira Real é um dos 12 voluntários do programa, que atua como multiplicador das ações de prevenção ao uso de drogas e violência. Em suas palestras, o policial aborda as temáticas: homofobia, uso de drogas e bullyng. Para Adriano, os temas são voltados para o cotidiano dos alunos, dentro da realidade vivenciada pela escola. “Temos que usar uma linguagem adequada à realidade deles. Os três conteúdos são trabalhados de forma diferenciada, mas quando o assunto é o bullyng percebemos uma maior interatividade, pois vai ao encontro de fatos vivenciados por eles”, explica.

Leia também:  Sine de MT tem 800 vagas de emprego

Outro palestrante, o delegado chefe da Gerência de Combate ao Crime Organizado, Flávio Henrique Stringueta, leva sua experiência de delegado de polícia para adolescentes e jovens da rede escolar. Na forma de bate-papo, o delegado trabalha os fatores geradores da violência e criminalidade, trazendo para a discussão fatos reais da vivência dos adolescentes, como exemplos de pessoas que morreram por dívidas insignificantes com traficantes.

O delegado aborda o consumo excessivo de álcool como consequência dos crimes de violência doméstica e acidentes de trânsito, entre outros fatores causadores do aumento da criminalidade, como o uso de drogas ilícitas. “Se todo esse esforço for suficiente para livrar apenas um deles do mundo das drogas, já terá valido a pena. Terá sido uma vida salva, e isso vale qualquer esforço”, declara Flávio.

Leia também:  Secitec prorroga inscrições para MT Enem 2017

A Escola Estadual, Nadir de Oliveira, no bairro Jardim Glória, em Várzea Grande, com 1.312 alunos, do ensino fundamental e médio, sofre os efeitos da violência e aumento da criminalidade na cidade. Para a diretora da escola, Vera Lúcia de Souza Dalbosco, muitos dos problemas da unidade está relacionado à criminalidade, como a venda de drogas do lado de fora da escola, que devido às parcerias ainda não atravessou os muros, segundo ela.

“Dentro da escola ainda não identificamos. A gente está sempre atenta a comportamentos fora do padrão, ao uniforme e procurando formas de alerta-los. A escola tem que começar a acordar de como tratar com esses alunos”, analisa a educadora.

Leia também:  Secitec abre 303 vagas para professores bolsistas do Pronatec nesta terça-feira (30)

O delegado Bibiano Nunes Ferreira Sobrinho é um dos principais palestrantes do tema drogas da Polícia Judiciária Civil. Com experiência de mais de 10 anos no assunto, Bibiano fala abertamente com os jovens sobre as principais drogas, esclarece dúvidas e curiosidades dos alunos, levando-os a refletirem sobre as consequências do consumo e tráfico de drogas. “A conscientização dos alunos sobre os efeitos da droga em meio à sociedade é uma das maneiras de prevenção ao crime”, pontua o delegado Bibiano Nunes.

Para o delegado geral da Polícia Judiciária Civil, Anderson Garcia, a ação social do programa De Cara Limpa Contra as Drogas, da Polícia Judiciária Civil, é ponto importante da política de enfrentamento às drogas desenvolvida pelo Estado. “Sem esses voluntários a Polícia Judiciária Civil não estaria dando sua contribuição”, afirma.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.