Termina nesta sexta-feira (30) o período de vacinação contra a febre aftosa. É importante destacar que produtores terão até o dia 10 de dezembro para comunicar a vacinação ao Instituto de Defesa Agropecuária (Indea). A previsão é vacinar todo o rebanho do estado, que é de 29 milhões de cabeças – o maior do país.

De acordo com o diretor de Relações Institucionais da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e presidente do Conselho Fiscal do Fundo Emergencial de Saúde Animal de Mato Grosso (Fesa-MT), Rogério Romanini, quem não respeitar o calendário de vacinação poderá ser penalizado com o pagamento de multas. Os valores podem chegar a 2,25 Unidade de Padrão Fiscal (UPF) por cabeça não vacinada, o que corresponde atualmente a R$ 46,27 por animal. “Tão importante quanto vacinar é comunicar ao Indea. Caso contrário, o produtor é penalizado”, comenta.

Leia também:  Sindicalistas chegam a acordo com governo sobre perdas salariais

Ainda de acordo com Romanini, o combate à doença é fundamental para o estado manter seu status de área livre de febre aftosa, reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Ele lembra que o último foco de febre aftosa em Mato Grosso foi registrado em 1996.

“Todos os anos, os pecuaristas mato-grossenses têm dado um excelente exemplo quando o assunto é a sanidade animal. Já faz um bom tempo que nossos índices chegam a mais de 99% dos animais imunizados. Para continuar mostrando que Mato Grosso tem uma das carnes mais saudáveis do mundo, temos que manter esta vigilância, pois sabemos que países vizinhos como a Bolívia e o Paraguai são mais vulneráveis à doença. Não podemos correr esse risco”, destaca Romanini.

Leia também:  Comércio lidera geração de empregos em Nova Mutum
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.