Ursos de pelúcia são colocados em memorial em homenagem às vítimas de Newtown (Foto: AP)

Ao ouvir a mensagem que a filha Gabriela deixou em seu celular na última sexta-feira (14), a brasileira Alessandra Porto pulou assustada da cama. Ela dizia para a mãe ir para a escola imediatamente. Depois, outra pessoa pega o telefone e explica: “Alessandra, você precisa vir até a escola Sandy Hook. Gabriela está bem, mas houve um tiroteio na escola. Por favor, venha.”

Gabriela é uma das alunas da escola Sandy Hook, na pequena cidade de Newtown, na última sexta um jovem de 20 anos entrou armado e atirou em professores e alunos, matando 26 pessoas e tirando a própria vida.

Aquela sexta-feira, segundo Alessandra, começou como outra qualquer. “Eu dei café para ela, coloquei ela no ônibus. Dei um tchauzinho para ela e ela foi tranquila”, relata a brasileira.

Leia também:  Passageiros sobrevivem após queda de avião em GO

Logo depois, às 10h06 da manhã, Alessandra recebeu um e-mail. Era da superintendência das escolas da cidade. A mensagem dizia: “Devido à informação de tiroteio, ainda não confirmada, estamos tomando medidas preventivas e proibindo a entrada e saída em todas escolas até que todos os alunos e funcionários estejam seguros”. Mas cinco minutos depois, ela recebeu outro e-mail: “Por causa do fechamento da escola, não haverá ônibus na hora do almoço, e todas as aulas do período da tarde estão canceladas.”

Enquanto isso, Gabriela estava dentro da sala de aula.

“A gente escutou um monte de porta fechando e trancando, um monte de professora gritando”, conta Gabriela.

Leia também:  Mulher fica em estado de choque após sofrer assédio sexual dentro de ônibus coletivo

Os alunos estavam na sala de música. No canto, há um quarto onde ficam guardados os instrumentos. Todos foram para lá. Vinte crianças, com a luz apagada. A professora fez dois pedidos. “Ela falou para a gente sentar e rezar. Então todo mundo sentou e a gente começou a rezar todo mundo junto. E ela ficava lá no quarto dando bala para a gente tentar acalmar”, detalha Gabriela.

A professora saiu do pequeno quarto, buscou o telefone na mesa dela e avisou polícia. Depois de alguns minutos, ligou, de novo, para saber o que estava acontecendo.

“Ela falou que tinha um homem que queria matar crianças. Então, todo mundo ficou assustado”, diz Gabriela.

Leia também:  Discussão causa morte após vizinho atropelar casal de moto em SP
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.