O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi chega ao treino do Milan neste sábado (8) em Milanello (Foto: AFP)

O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi chamou nesta terça-feira (11) o prêmio de risco de “truque” e “invenção” para derrubar os governos democraticamente eleitos.

“O prêmio de risco? Não havia escutado sobre isto, apenas no último ano. Não interessa a ninguém”, afirmou em uma entrevista por telefone ao Canal 5, uma das emissoras de sua propriedade.

Para o Cavaliere, que anunciou na sexta-feira o retorno à vida política depois de hesitar durante meses, o prêmio de risco, que mede a confiança dos mercados em comparação com os valores da Alemanha, “é um truque, uma invenção com a qual tentam provocar a queda da maioria eleita pelos italianos que governava o país”.

Berlusconi criticou ainda a política da Itália centralizada na Alemanha que, segundo ele, piorou a situação econômica da península.

Leia também:  Fortes chuvas causam inundações e deixam dezenas de mortos e desaparecidos no Japão

“Não quero dizer que erros foram cometidos, mas Mario Monti seguiu uma política muito ‘germanocêntrica’. Os indicadores econômicos pioraram. Não cabe fazer julgamentos, mas todos os dados são negativos”, disse.
O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi chega ao treino do Milan neste sábado (8) em Milanello (Foto: AFP)O ex-premiê italiano Silvio Berlusconi chega ao treino do Milan neste sábado (8) em Milanello (Foto: AFP)

O prêmio de risco da Itália subiu imediatamente como reação às declarações de Berlusconi, que anunciou candidatura pela coalizão de direita ao cargo de primeiro-ministro nas eleições de 2013 e retirou seu apoio a Monti no Parlamento, provocando a renúncia antecipada do chefe de governo.

Leia também:  Atentado com carro-bomba deixa 10 mortos E 20 feridos na Somália

“Infelizmente, o governo liderado por Monti nos levou a uma crise, ainda pior do que quando estávamos no governo”, comentou, depois de citar como exemplo a redução do Produto Interno Bruto (PIB).

Berlusconi voltou a defender seu papel como líder europeu e afirmou que sempre foi contrário às medidas impostas pela Alemanha à Grécia, um país que está “à beira da guerra civil”, disse.

Questionado se a Europa teme seu retorno, respondeu sem hesitar: “nem em sonhos”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.