A coligação Feliz Natal Muito Mais Forte, encabeçada pelo prefeito de Feliz Natal (120 quilômetros de Sinop), Antônio Debastiani (PSDB), que não conseguiu a reeleição, entrou com ação judicial para que o prefeito eleito Toni Dubiella (PSD), não seja diplomado no próximo dia 19. O advogado da coligação, Felipe Guerra, confirmou, ao Só Notícias, que entrou com uma ação, apontando capitação ilícita de sufrágio (compra de votos) em um assentamento local, durante o pleito eleitoral. Guerra explicou as existências de gravações e também de testemunhas, de que o prefeito eleito teria feito comícios no assentamento denominado ENA, prometendo vantagens em troca de votos.

Com a notificação dele, o próximo passo agora deve ser a realização de uma audiência de instrução, na qual as partes vão expor seus argumentos e testemunhas ouvidas.

Leia também:  Por questões éticas advogado se recusa a continuar em defesa de Michel Temer

Dubiella (PSD) foi eleito com 2.635 votos, cerca 56,47% dos válidos. Já Debastiani, que buscava a reeleição, obteve 2.031 (43,33%). Dos 6.237 eleitores, 4.851 compareceram às urnas. 1.386 abstenções foram registadas.

Outro lado
Dubiella afirmou, ao Só Notícias, que a denúncia não procede. Confirmou que já foi notificado e está analisando os argumentos da coligação adversária para, em breve, se posicionar juridicamente. “Entendo que é um ato de quem está desesperado, de alguém que não sabe perder e não compreende que vivemos numa democracia. Não aceita o que o povo decidiu nas urnas”, rebateu.

O prefeito eleito disse ainda estranhar, que depois do pleito em 7 de outubro, tenha surgido uma ação apenas agora.

Leia também:  Prefeita de Juara tem bens bloqueados pela Justiça
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.