A violência da torcida segue como uma das principais preocupações dos organizadores da Copa do Mundo de 2018, que acontecerá na Rússia. Nesta terça-feira, o presidente do Comitê Organizador Local (COL), Alexey Sorokin, se disse “desapontado” com os seguidos atos de vandalismo no futebol do país, mas prometeu mudanças para controlar o problema.
Segundo ele, as principais alterações para garantir a segurança no Mundial serão em relação a câmeras colocadas nos estádios e um melhor sistema de venda de ingressos. Durante uma conferência de esportes realizada em Dubai, Sorokin admitiu que a imagem do futebol russo segue muito ligada à violência, mas apontou que a Copa é a chance de mudar isso.

Leia também:  Corinthians vence o Fluminense de virada e se torna campeão brasileiro pela sétima vez

“Não temos dúvidas que podemos trazer a segurança necessária para tornar o torneio seguro tanto nas ruas quanto nos estádios”, declarou. “Não estamos preocupados que o sistema de segurança vá comprometer de forma alguma. É algo desapontador que estas coisas estejam relacionadas ao futebol russo. Vamos tomar medidas sérias para impedir isso no futuro.”

A violência no futebol russo voltou a ser assunto no mês passado, quando uma partida entre Dynamo de Moscou e Zenit foi suspensa depois que o goleiro do Dynamo foi atingido por fogos de artifício arremessados pela torcida adversária. Como resultado, ambas as equipes foram multadas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.