Foto: assessoria

A presidente Dilma Rousseff afirmou na manhã desta quarta-feira (12) a empresários, em Paris, na França, que o Brasil necessita de mais de 800 aeroportos regionais e que o governo vai “interiorizar” o transporte aeroviário.

Dilma conversou com empresários franceses após participar do seminário empresarial “Desafios e Oportunidades de uma Parceria Estratégica”.

Segundo a presidente, o objetivo do governo com o plano é fazer com que cidades com cerca de 100 mil habitantes tenham aeroportos a “no máximo, 60, 70 km” de distância e que cidades turísticas tenham aeroporto “não perto, junto delas”.

Segundo ela, a meta é o “fortalecimento de uma aviação regional” no país. “Nós precisamos de médias empresas aeroviárias no Brasil”, declarou.

O incremento da quantidade de aeroportos regionais fará parte da próxima etapa do programa de concessões do governo, que já resultou em licitações para exploração pela iniciativa privada dos aeroportos de Guarulhos e Campinas, em São Paulo, e de Brasília. Essa nova etapa incluirá concessões de aeroportos regionais e de outros grandes aeroportos.

Segundo a presidente, o modelo de licitação dos grandes aeroportos obedecerá o mesmo princípio adotado em relação aos três aeroportos já licitados – 51% de investimentos privados e 49% da estatal Infraero.

“O que vai diferenciar essas licitações é que teremos exigências maiores dos investidores. Trabalharemos com um número maior de passageiros”, declarou.

Leia também:  Elevador de hotel luxuoso no RJ despenca e deixa turistas feridos

Dilma afirmou à plateia de empresários franceses que o Brasil vive atualmente um “ambiente favorável ao investimento”. Segundo ela, o governo está atuando para desburocratizar procedimentos e oferecendo melhores condições de financiamento para novos projetos.

A presidente deu como exemplos a criação do RDC (regime diferenciado de contratações), destinado a dar mais celeridade às contratações de obras e serviços, e um “controle ambiental mais transparente e mais ágil”.

Dilma afimrou em seu discurso no seminário que o Brasil já foi “objeto de olhares extremamente arrogantes” e que agora vive uma “extraordinária aventura”. A presidente participou do Seminário Empresarial: “Desafios e Oportunidades de uma Parceria Estratégica”, em Paris.

“Olho de forma extremamente amigável essa parceria com a França. Nós fomos ao longo do tempo objeto de olhares extremamente arrogantes. Não estou dizendo isso dos franceses. Nós fomos um país colonizado, aprendemos ao longo da nossa história que as nossas relações só são profícuas. Agora, nós queremos ganhos reais para os nossos parceiros franceses. Queremos que eles compartilhem dessa nossa extraordinária aventura”, afirmou.

A presidente também afirmou que o Brasil precisa investir em ferrovia.

“Além da China, somos um dos países que mais terão que investir em ferrovia. Não podemos nos dar o luxo de transportar apenas de avião”, disse

Leia também:  Homem é preso por falsificar assinatura de juíza e fraudar mandado de apreesão

Nesta terça-feira, Dilma afirmou na França que o ajuste fiscal promovido pelos países europeus para tentar conter os efeitos da crise internacional pode comprometer a União Europeia e a Zona do Euro. Na avaliação de Dilma, a estratégia econômica pode afetar o modelo de Estado de bem-estar social implantado em diversos países europeus após a 2ª Guerra Mundial.

“Passamos (países da América Latina) por um grave ajuste fiscal durante duas décadas. Sabemos que o corte (de gastos) radical compromete o futuro de nossa gente. Aqui (na Europa) o corte tem afetado os pilares do estado social. Isso tem afetado igualmente uma das maiores obras do mundo, que foi a criação da União Européia e da Zona do Euro”, discursou a presidente, durante a abertura do Fórum pelo Progresso Social, evento organizado pelo Instituto Lula e pela fundação francesa Jean Jaurès, em Paris.

O evento contou também com as participações do presidente da França, François Hollande, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Anfitrião do encontro, Hollande fez o discurso de abertura do fórum.

Em sua manifestação, a chefe de Estado brasileira analisou o impacto da crise econômica internacional sobre os países europeus e o Brasil. Na avaliação de Dilma, as nações atingidas pela instabilidade econômica mundial tem de buscar um equilíbrio entre medidas de austeridade e de incentivo ao crescimento econômico.

Leia também:  Pai obriga criança participar de roubo a carro que termina em perseguição policial

“Superamos a visão incorreta que contrapõe, de um lado, as medidas de incentivo ao crescimento e, de outro, os planos de austeridade. Esse é um falso dilema. A responsabilidade fiscal é tão necessária quanto são imprescindíveis medidas de estímulo ao crescimento, pois a consolidação fiscal só é sustentável em um contexto de recuperação da atividade econômica”, observou a presidente.

Em discurso afinado com o presidente francês, Dilma defendeu que os governantes mundiais procurem conciliar crescimento econômico e geração de emprego como alternativas para combater a crise.

“É preciso muita cooperação e diálogo e que se assuma um compromisso com o crescimento, o emprego, a justiça social e o meio ambiente, para que se possa criar um caminho sustentável para a saída da crise”, disse.

Dilma ainda apoiou a sugestão de Hollande para a criação de um conselho de segurança econômica e social, nos moldes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU). A presidente enfatizou, diante de Hollande e Lula, que a recessão e a desordem fiscal podem ter consequências sociais e políticas graves, como a descrença na política, o abandono da democracia, a xenofobia e o desespero pela falta de futuro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.