Mulher corta cabelo durante protesto contra a nova Constituição no Cairo (Foto: Ahmed Abd El Latef/AP)

A polêmica nova Constituição do Egito, de linha islamita, passou a vigorar como lei básica do país, após a sanção do presidente Mohamed Morsi. Ele espera que a nova Carta ajude a encerrara aturbulência política e permita ao governo concentrar-se em medidas para recuperar a fragilizada economia do país.

O medo do agravamento da crise econômica tomou conta do Egito nas últimas semanas, levando muitas pessoas a sacar às pressas suas poupanças dos bancos. O governo impôs novas restrições para conter a fuga de capital do país.

Os resultados da apuração da votação no referendo, divulgados na véspera, mostraram que 63,8% dos egípicios –uma grande maioria– aprovaram a Constituição. Como consequência, haverá uma eleição parlamentar em cerca de dois meses.

A vitória dá aos islamitas sua terceira conquista eleitoral seguida desde a derrubada do poder do veterano ditador Hosni Mubarak, na revolução de 2011, dentro do contexto da chamada Primavera Árabe. Eles também foram os vencedores das eleições parlamentares e presidenciais, as quais levaram Morsi ao poder.

Leia também:  Ataque terrorista deixa dezenas de feridos no metrô de Londres

A Presidência informou que Morsi assinou na noite de terça-feira um decreto endossando a nova Carta, após o anúncio oficial do resultado do referendo que aprovou a lei básica, primeira Constituição do Egito desde a queda de Mubarak.

O texto provocou uma profunda divisão no Egito, a nação mais populosa do mundo árabe, e desencadeou com frequência protestos violentos nas ruas do Cairo.

Grupos de oposição criticam a nova Constituição, que consideram antidemocrática e excessivamente islamita, e dizem ainda que ela abre caminho para que clérigos intervenham no processo legislativo e deixa os grupos minoritários sem adequada proteção legal.

Mas Morsi, levado ao poder graças ao apoio de seus aliados islamistas, acredita que a adoção do texto seja peça fundamental para pôr fim a um um longo período de turbulência e de incertezas que tem destruído a economia.

Leia também:  Homem fica ileso após ser arremessado por ônibus na Inglaterra

Ele argumenta que a Constituição garante proteção suficiente para todos os grupos e que a maioria dos egípcios está cansada de protestos de rua que têm impedido o retorno à normalidade e desviado o governo da questão econômica.

A atmosfera de crise ganhou força no Egito desde a votação. Muita gente corre para tirar dinheiro de suas contas correntes e da poupança, preferindo acumular moeda forte em casa.

Os receios da população aumentaram depois que as autoridades impuseram um controle sobre as divisas para evitar a fuga de capitais. Agora é proibido entrar ou sair do Egito com mais de US$ 10 mil.

Abalada com frequência por protestos na fase que antecedeu os dois turnos do referendo, a capital estava tranquila nesta quarta-feira. Apenas um pequeno grupo de manifestantes queimou pneus durante a noite no Cairo.

Leia também:  Para não ser pega em flagrante amante tenta sair as pressas e fica presa em cabos elétricos

O governo de Morsi diz que seus adversários estão prejudicando a economia ao prolongar a agitação política. Ele se comprometeu com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a impor aumentos de impostos e cortes de gastos, medidas impopulares, para obter um pacote de empréstimos.

Somando-se à longa lista de preocupações do governo, o ministro das Comunicações, Hany Mahmoud, renunciou ao cargo, alegando “incapacidade de adaptar-se à cultura de trabalho do governo”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.