A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) preparam para o início de 2013 a largada para a mais abrangente pesquisa até hoje realizada no Brasil sobre tecnologia para aplicação aérea de defensivos.

A ideia é avaliar os tipos de defensivos e técnicas de aplicação, buscando o modelo mais eficaz no combate às pragas, com menos produtos e menor risco para o meio ambiente. Os estudos vão ocorrer em São Paulo (laranjas), Goiás (soja), Rio Grande do Sul (arroz) e Paraná (cana-de-açúcar).

A pesquisa via incluir o uso de bioindicadores, sensores nas lavouras e no perímetro das áreas pulverizadas e até o uso de aeronaves não tripuladas para monitorar as aplicações. Além dos estudos sobre produtos para lavoura, os trabalhos em todas as áreas vão abranger também a pesquisa sobre controle da deriva (que é quando a nuvem de defensivos “vaza” para fora da faixa de aplicação). O estudo de deriva vai ocorrer nos 4 Estados para que sejam consideradas as condições climáticas de cada região.

Leia também:  Mais de 2 mil pessoas recebem chave da casa própria em Primavera
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.