Foto:simnoticias

Depois do desempenho pífio da economia no terceiro trimestre, com crescimento de 0,6% e queda nos investimentos, o governo decidiu abrir mão de um total de R$ 3,4 bilhões em arrecadação anual em mais uma tentativa de reativar a economia já no início de 2013.

Conforme antecipou a Folha, o beneficiado desta vez foi a construção civil.

E, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, novas medidas para o investimento serão anunciadas nesta semana. Na semana passada, ele disse que o governo vai prorrogar o PSI (programa do BNDES que financia compra de bens de capital).

Responsáveis por quase metade da taxa de investimento no país, as empresas de construção civil vão trocar a forma de contribuição para a Previdência: em vez de 20% sobre a folha de pagamento, passam a pagar 2% do faturamento.

A exceção fica para as incorporadoras e para o segmento de construção pesada, como as grandes obras de infraestrutura.

O setor é o 41º a mudar a forma de contribuição dentro da estratégia do governo de estimular a economia desde o ano passado. A medida vai custar R$ 2,85 bilhões ao ano aos cofres públicos.

Leia também:  Mais de 160 mil vagas em concursos públicos estão previstas para 2018

Segundo Mantega, a forma atual gera uma arrecadação anual de R$ 6,28 bilhões. Com a mudança, o setor pagará R$ 3,43 bilhões.

Além disso, Mantega disse que haverá, no primeiro ano, um ganho adicional de cerca de R$ 970 milhões para as empresas na administração do fluxo de caixa, fruto da postergação do recolhimento porque o faturamento só ocorre no fim da construção.

O governo também resolveu abrir mão de R$ 411 milhões em receitas no ano que vem para atender a um pedido do setor e reduzir de 6% para 4% a alíquota do RET (Regime Especial de Tributação), que reúne vários impostos numa única alíquota (Imposto de Renda da pessoa jurídica, CLSS, PIS e Cofins).

“Eu sei que o setor vem reivindicando essas medidas. Então, nada melhor que, numa comemoração, a gente reconhecer que as reivindicações são corretas e pertinentes”, afirmou a presidente Dilma Rousseff.

Leia também:  PM que matou ladrão na porta da escola é homenageada

Para as habitações sociais, como as destinadas às famílias de baixa renda do Minha Casa, Minha Vida, o governo elevou de R$ 85 mil para R$ 100 mil o valor dos imóveis que se beneficiam de uma alíquota especial do RET de 1%. A medida terá impacto de mais R$ 97 milhões em 2013.

Outra medida prevê R$ 2 bilhões em crédito que será liberado pela Caixa para que as empresas de pequeno e médio portes possam obter recursos antecipadamente para administrar seu caixa.

Segundo Mantega, o natural é que os financiamentos sejam liberados depois da medição da obra. “Agora vai haver liberação antecipada.”

A medida vale para empresas que faturam até R$ 50 milhões por ano e deverá ter taxa de juros de 0,94% ao mês com renovação automática das operações.

MÃO DE OBRA

A presidente enfatizou ainda em seu discurso que todas as ações anunciadas dão competitividade ao setor na medida em que reduzem o custo e facilitam a contratação de mão de obra.

Leia também:  No primeiro trimestre do ano foram assassinadas mais de 11 mil pessoas no Brasil

“E isso tudo sem alterar os direitos dos trabalhadores, sem reduzir em um só os direitos dos trabalhadores.”

O setor de construção tem uma das menores taxas de desemprego, segundo o IBGE.

Enquanto a taxa de desemprego em seis regiões metropolitanas ficou em 5,3% em outubro, esse índice na construção civil foi de 2,4%.

INCENTIVOS À CONSTRUÇÃO CIVIL

1. Contribuição para a Previdência deixa de ser 20% sobre a folha de pagamento e passa para 2% do faturamento

2. O RET (Regime Especial de Tributação), que reúne vários impostos numa única alíquota, cai de 6% para 4%

3. Em programas de habitação social, como o Minha Casa, Minha Vida, subiu de R$ 85 mil para R$ 100 mil o valor dos imóveis que se beneficiam da alíquota especial do RET de 1%

4. A Caixa Econômica Federal deverá disponibilizar R$ 2 bilhões para capital de giro de construtoras de pequeno e médio porte

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.