A mãe do jovem se emociona ao falar do filho – Foto: Ronaldo Teixeira / AGORA MT

Família e amigos do jovem Jorge Augusto, 17 anos, que foi morto no último dia seis de dezembro durante uma perseguição da polícia se reuniram em frente ao Fórum de Rondonópolis para pedir informações sobre o caso.

A namorada do jovem, J.A.M.S., 17 anos, que estava na garupa da moto com o rapaz na hora do crime afirma que os tiros partiram de uma das viaturas da Polícia Militar que naquele momento fazia uma perseguição a um Golf. De acordo com ela duas caminhonetes S10 da Polícia passaram por eles atirando e que naquele momento ela conseguiu se abaixar e os tiros pegaram apenas em Jorge.

J.A.M.S. afirmou que eles estavam vindo da casa de uma amiga e que Jorge iria deixa-la de volta em sua residência quando no caminho foi atingido com balas na cabeça, sem nenhum motivo. A mãe de Jorge, Luzinete Batista Teixeira, conta ainda emociada que o rapaz era tranquilo e que trabalhava em uma loja de acessórios que fica em Posto de Gasolina da cidade.

Leia também:  Profissionais de saúde estão mais de 100 dias sem receber salário do governo

Segundo a mãe, além da namorada existem outras testemunhas que podem afirmar que o jovem foi morto pela polícia. “Havia funcionários de uma oficina que estavam fazendo churrasco em frente ao local onde tudo ocorreu e eles também podem testemunhar”, diz.

Luzinete afirmou que a família procurou saber informações sobre o caso com a Polícia, mas que não conseguiu dados sobre a ocorrência.

O comandante do 5º BPM, tenente coronel Valter Silveira, contou que os militares que participaram da perseguição naquele dia, já foram afastados dos serviços operacionais. Valter declarou que apenas a perícia poderá expor a versão dos fatos. “A Perícia vai poder dizer de que arma saiu o tiro e se há vestígios no veículo que estava em fuga”, alega.

Leia também:  Prefeitura abre inscrições para eventos paralelos à Feciti

Para finalizar o comandante explicou que a Polícia Militar está à disposição da família para poder passar informações sobre o inquérito, já que não corre sobre secreto de justiça. A família informou que deve procurar o Ministério Público para garantir a investigação do caso.

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.