O Ministério Público Estadual (MPE), por meio do do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), denunciou, nesta quinta-feira, 29 pessoas por roubos à empresas do ramo de transporte e logística, ocorridos nos anos de 2011 e 2012. A organização criminosa foi descoberta durante a Operação ‘Lista Amarela’, realizada em dezembro deste ano. Os denunciados são acusados pela prática de sete assaltos à mão armada e formação de quadrilha. Dos 29 denunciados, 14 estão presos. A denúncia foi protocolada na Vara Especializada em Crime Organizado de Cuiabá.

Os autores da denúncia, promotores de Justiça Sérgio Silva da Costa e Arnaldo Justino da Silva, informaram que, em apenas seis meses, o grupo roubou aproximadamente R$ 7 milhões em mercadorias. “A quadrilha chegava fortemente armada nas empresas, rendia e amarrava os vigias. Em seguida, outros integrantes da quadrilha chegavam de caminhão e realizavam o transporte dos produtos. Para esconder os materiais roubados, alugavam casas em bairros discretos, até serem entregues aos receptadores”, consta em um dos trechos da denúncia.

Leia também:  Professor de MT é finalista de premiação nacional

As empresas roubadas pela quadrilha foram as seguintes: Braspress Transporte Urgente Ltda., Pronto Express Logísitca (Claro), Distribuidora Farmacêutica Paranello Ltda.; Monsanto do Brasil Ltda.; Três Américas transportes Ltda., e Ideal Temper Comércio e Serviço de Imp. de Ar Condicionado Ltda. As investigações policiais tiveram início após a ocorrência do roubo à empresa Brasspress Transporte Urgentes Ltda., localizada no Distrito Industrial, onde cerca de 10 criminosos, fortemente armados, invadiram as dependências da empresa, renderam os funcionários e subtraíram diversos objetos eletrônicos e confecções.

Segundo os promotores, foi comprovado que a referida organização criminosa é bem estruturada e praticou roubos durante muito tempo em estabelecimentos comerciais da região metropolitana de Cuiabá e também do interior do Estado, tendo como líder o denunciado Fausto Fernando Durgo Filho, conhecido coo ‘Faustão’. “Ele é responsável por planejar os crimes, cooptar executores, fornecer armamentos de uso privativo das forças armadas, arranjar veículos de grande porte para o transporte das mercadorias, bem como vendê-las e dividir os lucro entre os demais integrantes”.

Leia também:  MPE realiza encontro para discutir a atuação da instituição na defesa das crianças e adolescentes

Na denúncia, o Gaeco detalhou todos os roubos efetuados nas referidas empresas e inseriu relatos de escutas telefônicas, autorizadas pela Justiça, que revelam o planejamento de assaltos efetuados pela quadrilha.

DENUNCIADOS – Dos 29 denunciados, seis são mulheres. Confira a relação completa dos nomes: Fausto Fernando Durgo Filho, vulgo Gordo ou Faustão; Alexandre Benedito de Almeida Pinheiro, vulgo Bitoka; Denis Araújo Nobre; Jose Bonifacio Nascimento de Barros, vulgo Zé da Caixa; Thiago Galdino Ferreira Figueiredo, vulgo Tiaguinho; Wellington de matos Couto; Mauro Junior de Moraes, vulgo Tunde; Higor Fernando dos Santos Nazário, vulgo Naza; Glauce Silva Neves; Paulo Eduardo da Silva, vulgo Paulinho; Jamille Paula Gluchowski, vulgo Cabeluda; Silvia Maria Spinelli; Edivaldo de Oliveira; Milton Assunção de Souza, vulgo Abençoado ou Véio; Francisley Ferreira Fernandes Sales, vulgo Moranguinho; Luiz Marcos da Costa, vulgo Marquito; Everaldo Marques da Silva, vulgo Vira; Anderson Silvano Miranda Leite, vulgo Cojeca; Eriko Sebastião da Silva, vulgo Gordo ou Gordão; Rodrigo Rodrigues Correa, vulgo Branquinho; Ana maria Rodrigues da Silva Queiros; Adair Martins Oliveira, vulgo Odair; João dos Santos Filho, vulgo Tom; Marcela Severina da Silva, vulgo tia Marcela; Thabita Chioratto Costa de Figueiredo; Marcio José da Silva, vulgo Bob; Thiago Augusto Pires da Silva, vulgo Thiago Pirata; e Emerson Henrique Cerqueira, vulgo Pank.

Leia também:  Exército abre chamadas para compra de alimentos da agricultura familiar em Mato Grosso
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.