Rafinha Alcântara durante coletiva da seleção sub 20 (Foto: Daniel Falcão)

Uma das principais promessas da consagrada base do Barcelona, Rafinha Alcântara chegou ontem quinta-feira à Granja Comary para integrar a seleção brasileira sub-20, que treina para o Sul-Americano da categoria, em janeiro, na Argentina. Em apenas um dia de treinamento, o meia já sentiu como é vestir a camisa da seleção e afirmou que está realizando um dos seus sonhos e do seu pai, Mazinho, campeão mundial na Copa de 1994.

“A sensação de vestir essa camisa é maravilhosa. Fazer parte deste grupo é muito bom. Sempre foi meu sonho jogar na seleção brasileira. Eu sempre me senti mais brasileiro que o meu irmão, por isso tomei essa decisão de defender o Brasil. Meu pai sempre quis isso – salientou Rafinha”.

Leia também:  Título da Champions pode fazer CR7 alcançar Messi

Além do sonho realizado, o jovem, de 19 anos, também já tomou uma decisão: daqui para frente, só vestirá a camisa de uma única seleção, a brasileira. O meia está convicto em tomar o caminho oposto de seu irmão, Thiago Alcântara, também jogador do Barça e que defende a Fúria.

Rafinha nasceu no Brasil e tem dupla nacionalidade, assim como o irmão, e chegou a defender a Espanha sub-19. Em março, o caçula de Mazinho chegou a ser convocado por Ney Franco para a sub-20 brasileira, mas acabou não sendo liberado pelo Barcelona para a Copa Internacional do Mediterrâneo.

– Vou defender o Brasil. Sempre me senti mais brasileiro que ele. Visitava os meus amigos aqui no Brasil sempre e, assim, creio que sempre tive identificação com o paÍs. O meu irmão, talvez por não vir muito para o Brasil, tenha menos isso – observou.

Leia também:  Luverdense deixa a zona de rebaixamento

A Fifa determina que o jogador naturalizado pode trocar de seleção quantas vezes quiser, desde que seja nas categorias de base. No entanto, caso ele realize um jogo com a camisa da equipe principal do país, o atleta só poderá defender esta nação até o fim da carreira.

Estreia no dia 10

Com Rafinha, o Brasil estreia no Sul-Americano sub-20 no dia 10 de janeiro, contra o Equador. Além das duas seleções, o Grupo B da competição conta com Uruguai, Peru e Venezuela. Esta chave será disputada na cidade de San Juan. Em Mendoza, no Grupo A, estarão as seleções de Argentina, Paraguai, Colômbia, Bolívia e Chile.

Em 2013, o time do técnico Emerson Ávila busca o tetracampeonato. Em 2007, no Paraguai, 2009, na Venezuela, e 2011, no Peru, o Brasil ficou com a taça. Ao todo, a Seleção já conquistou o título 11 vezes e é a maior vencedora da competição.

Leia também:  Brasil joga primeira partida do Grand Prix em Cuiabá
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.