“Lamentável. Toda esta situação poderia ser evitada”. A manifestação é do deputado federal Wellington Fagundes (PR-MT) sobre a desocupação da Fazenda Suiá Missu, que começou nesta segunda-feira com o confronto entre moradores, Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal. As primeiras informações é de que o conflito já produziu alguns feridos.

Ele lembrou o trabalho da Comissão Externa, criada no Congresso Nacional com o objetivo de procurar uma saída pacífica para o conflito. A comissão visitou a região em 22 de novembro passado. Presidida pelo deputado federal Wellington Fagundes, a comissão elaborou um relatório e participou das conversações com o Supremo Tribunal Federal na tentativa de evitar que o conflito se estabelecesse.

Leia também:  Vereador Thiago Silva apresenta Projeto de Lei para educação no trânsito nas escolas

“As fotos publicadas pela imprensa mostram que a situação é muito grave neste momento. Já havíamos alertados as autoridades sobre a possibilidade de conflito armado e de gente sair ferida”, disse Wellington. Os próprios líderes dos produtores rurais, que ocupam a área há 40 anos, já haviam anunciado que não deixariam o lugar sem luta. “Estamos muito preocupados porque visitamos a região, conhecemos o problema e sabemos que existem lá inclusive muitas mulheres, crianças e idosos”, conta o parlamentar.

O Supremo Tribunal Federal autorizou em outubro deste ano a desocupação do local. Desde então, o clima é tenso, principalmente no povoado de Posto da Mata, em Alto da Boa Vista, local que surgiu da ocupação das terras, onde hoje vivem 7 mil famílias, que precisarão deixar a área reconhecida como território Marãiwatsede.

Leia também:  Janot recusa transmitir cargo para sua sucessora Raquel Dodge

Os moradores foram notificados pela Justiça Federal, mas sempre prometeram resistir. Força Nacional de Segurança, Exército, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal e demais membros do serviço federal estabeleceram bases na área para garantir o cumprimento da determinação judicial, cujo prazo terminou em 6 de dezembro.

O parlamentar chegou a pedir ao presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), para que interviesse junto a presidente Dilma Rousseff e ao ministro da Justiça para evitar a desintrusão da área em função do cenário na região e o clima tenso, com provável derramamento de sangue.

Os senadores José Aparecido dos Santos (Cidinho) e Blairo Maggi, ambos do PR, também fizeram um apelo à presidente Dilma durante o lançamento em Brasília do Programa de Investimento em Logística: Portos, PAC Portos. Um apelo de caráter pessoal sobre o clima de extrema delicadeza e tensão no distrito.

Leia também:  Vereador Thiago Silva lança aplicativo para atender população

“Nossa maior preocupação é em relação à vida dessas famílias. Já percebemos que muitas delas estão dispostas a tudo para permanecerem no local onde construíram suas histórias”, ressaltou Wellington.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.