“Lamentável. Toda esta situação poderia ser evitada”. A manifestação é do deputado federal Wellington Fagundes (PR-MT) sobre a desocupação da Fazenda Suiá Missu, que começou nesta segunda-feira com o confronto entre moradores, Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal. As primeiras informações é de que o conflito já produziu alguns feridos.

Ele lembrou o trabalho da Comissão Externa, criada no Congresso Nacional com o objetivo de procurar uma saída pacífica para o conflito. A comissão visitou a região em 22 de novembro passado. Presidida pelo deputado federal Wellington Fagundes, a comissão elaborou um relatório e participou das conversações com o Supremo Tribunal Federal na tentativa de evitar que o conflito se estabelecesse.

Leia também:  Vereador Thiago Silva propõe criação de Programa de Educação Financeira

“As fotos publicadas pela imprensa mostram que a situação é muito grave neste momento. Já havíamos alertados as autoridades sobre a possibilidade de conflito armado e de gente sair ferida”, disse Wellington. Os próprios líderes dos produtores rurais, que ocupam a área há 40 anos, já haviam anunciado que não deixariam o lugar sem luta. “Estamos muito preocupados porque visitamos a região, conhecemos o problema e sabemos que existem lá inclusive muitas mulheres, crianças e idosos”, conta o parlamentar.

O Supremo Tribunal Federal autorizou em outubro deste ano a desocupação do local. Desde então, o clima é tenso, principalmente no povoado de Posto da Mata, em Alto da Boa Vista, local que surgiu da ocupação das terras, onde hoje vivem 7 mil famílias, que precisarão deixar a área reconhecida como território Marãiwatsede.

Leia também:  Cinco militares viram réus após denúncia ao TJ por “grampos”

Os moradores foram notificados pela Justiça Federal, mas sempre prometeram resistir. Força Nacional de Segurança, Exército, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal e demais membros do serviço federal estabeleceram bases na área para garantir o cumprimento da determinação judicial, cujo prazo terminou em 6 de dezembro.

O parlamentar chegou a pedir ao presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), para que interviesse junto a presidente Dilma Rousseff e ao ministro da Justiça para evitar a desintrusão da área em função do cenário na região e o clima tenso, com provável derramamento de sangue.

Os senadores José Aparecido dos Santos (Cidinho) e Blairo Maggi, ambos do PR, também fizeram um apelo à presidente Dilma durante o lançamento em Brasília do Programa de Investimento em Logística: Portos, PAC Portos. Um apelo de caráter pessoal sobre o clima de extrema delicadeza e tensão no distrito.

Leia também:  Após cirurgia na próstata Temer recebe alta e diz "Por aqui foi tudo bem"

“Nossa maior preocupação é em relação à vida dessas famílias. Já percebemos que muitas delas estão dispostas a tudo para permanecerem no local onde construíram suas histórias”, ressaltou Wellington.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.