Foto: internet

O presidente do Equador, Rafael Correa, vai tirar licença do cargo a partir de 15 de janeiro de 2013 para disputar a reeleição em 17 de fevereiro. Segundo Correa, a licença será por apenas um mês para que tenha condições de se dedicar à campanha presidencial, sem causar prejuízos às atividades no governo. Interinamente assumirá o governo o vice-presidente Lenin Moreno.

“[Está em curso] um projeto histórico e revolucionário cujo objetivo não é só vencer a Presidência [da República], mas garantir uma maioria na Assembleia para não sofrer chantagem nem bloqueios [às propostas de interesse do país]”, disse o presidente.

Correa ressaltou que o Parlamento está paralisado há 14 meses devido à ausência de acordo em torno do Código Penal. Segundo ele, também há impasses envolvendo as propostas referentes à Lei de Comunicação. Ele negou a intenção de cercear a imprensa. “Vamos discutir com a maior seriedade e responsabilidade [a Lei de Comunicação]”, ressaltou.

Leia também:  Cerca de 40 milhões de pessoas ainda são vítimas de escravidão no mundo

“Nós vamos tomar a decisão com base em nossa responsabilidade e compromisso com o país. Com total responsabilidade”, destacou o presidente.

Apontado como líder das pesquisas sobre intenções de voto, Correa enfrentará as urnas com o empresário Álvaro Noboa, o ex-presidente Abdala Bucaram, o empresário Guillermo Laso e Gustavo Larrea, ex-ministro de Governo do atual presidente da República. Há ainda outros candidatos que aparecem com menos força nas pesquisas de opinião.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.