Nguyen Quoc Quan com sua esposa Huong Mai Ngo durante uma coletiva de imprensa (Foto: AP Photo / Ringo H.W. Chiu)
Nguyen Quoc Quan com sua esposa Huong Mai Ngo durante uma coletiva de imprensa (Foto: AP Photo / Ringo H.W. Chiu)

Um vietnamita americano ativista pró-democracia retornou para os Estados Unidos na noite desta quarta-feira (30) após uma detenção de nove meses sobre as acusações de conspirar para derrubar o governo comunista do Vietnã. O voo demorou em torno de oito horas até aeroporto de Los Angeles.

Nguyen Quoc Quan sorriu ao ser recebido por sua esposa, filhos e outros familiares, que levaram balões e colocaram colares ao redor de seu pescoço. “Eu te amo muito e eu me sinti muito perto de você a cada minuto de prisão”, ele disse à sua esposa, Huong Mai Ngo, em vietnamita, e depois repetiu em Inglês para os repórteres. Depois, ele a puxou para o seu lado. “Agora ainda mais perto”, disse ele com um sorriso.

Ele disse que estava orgulhoso das coisas que ele realizou no país e estaria disposto a voltar, com a aprovação de sua esposa. “O governo comunista do Vietnã não pode pará-lo, como eu posso?”, ela disse.

Leia também:  Traficantes de seres humanos jogam cerca de 300 migrantes ao mar

A decisão das autoridades vietnamitas para liberar Quan contrasta com as longas penas de prisão dadas a ativistas vietnamitas que são membros do grupo norte-americano mesmo dissidente.

A liberação veio depois de pressão diplomática dos EUA e remove um espinho evidente nas relações entre os antigos inimigos. Ambos os países estão tentando fortalecer seus laços em grande parte por causa de preocupações sobre a força emergente militar e econônica da China.

O ministério das Relações Exteriores do Vietnã disse em um comunicado que Quan “confessou o crime” e pediu clemência para se reunir com sua família. Já a esposa de Nguyen disse antes de sua chegada que ela duvidava que este era o caso, sugerindo que Hanói estava buscando uma maneira para salvar a face de lhe permitir ir para casa. “Eu não acredito nisso. Se meu marido estava preparado para fazer isso (confessar), ele poderia ter sido lançado há nove meses”. Quan não abordou a questão com jornalistas no aeroporto.

Leia também:  Leões fogem de parque e deixam africanos preocupados

Ngo disse que foi o consulado americano o primeiro a informar sobre a libertação de seu marido. “Eu não posso acreditar nisso”, disse ela. “Eu chorei ao telefone quando me disseram”. Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Victoria Nuland disse que não tinha maior prioridade que a segurança dos cidadãos americanos no exterior. “É uma boa notícia que ele já foi liberado”, disse ela.

Entenda o caso
Quan, um cidadão americano, foi preso em abril no aeroporto de Ho Chi Minh City, depois de chegar em um vôo dos EUA, onde viveu desde que fugiu do Vietnã de barco.

Aos 60 anos, ele é um dos principais membros do Viet Tan, um grupo pró-democracia não violenta que as autoridades vietnamitas têm marcado como uma organização terrorista. Ele foi detido em 2007 no Vietnã, durante seis meses, também por acusações relacionadas a seus pró-democracia atividades, antes de serem deportados.

Leia também:  Pastor causa polêmica no Chile ao ir em programa de TV e pisar em bandeira do órgão LGBT

Autoridades inicialmente acusavam Quan de terrorismo. Mais tarde ele foi acusado de subversão contra o Estado, o que acarretou penas que variam de 12 anos de prisão para a morte. No início deste mês, 14 ativistas vietnamitas associados Viet Tan foram condenados a até 13 anos de prisão.

De acordo com uma cópia do indiciamento obtida pela Associated Press, Quan se reuniu com colegas ativistas vietnamitas na Tailândia e Malásia entre 2009 e 2010 e discutiu a segurança na Internet e a resistência não-violência. A acusação disse que ele viajou para o Vietnã com um passaporte emitido sob o nome de Richard Nguyen em 2011, quando ele recrutou quatro outros membros do Viet Tan.

O Vietnã rotineiramente aprisiona os defensores da liberdade de expressão e aqueles que procuram minar o monopólio do Partido Comunista no poder. No ano passado, o país prendeu e condenou vários blogueiros, parte de uma reação contra a Internet que movia críticas de corrupção, o histórico de direitos humanos e movimentação da economia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.