A Defesa Civil de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, interditou 22 casas às margens do Rio Cachoeira de Xerém, atingidas por uma enxurrada na semana passada. Mais 400 casas, a pedido de moradores, devem ser vitoriadas nos próximos dias. A intenção da prefeitura é demolir aquelas em situação de risco e pagar aluguel social às famílias.

Segundo o secretário de Defesa Civil do município, coronel Marcello Silva da Costa, as 22 casas interditadas ficam na localidade de Café Torrado, próximo a Xerém, e foram atingidas por uma avalanche de pedras e lama. Antes de serem condenadas, no entanto, ainda vão receber a visita de um engenheiro que fará um laudo técnico avaliando as condições para demolição.

Leia também:  O campeão brasileiro de asa-delta decola em MG e é arrastado por forte ventania até SP

“Cada casa será vistoriada por um engenheiro que dará o parecer atestando se está em condição segura para ser habitada ou não. Às vezes, a casa foi atingida, mas pode ser recuperada. Neste momento, 22 [moradias] estão sem condição de habitação”, reforçou o secretário.

Na área mais afetada de Duque de Caxias, em Xerém, moradores podem pedir a vistoria em três postos emergenciais da Defesa Civil. As visitas as casas serão feitas a partir de hoje (7) por engenheiros da prefeitura e do governo do estado.

A previsão é que o prefeito Alexandre Cardoso detalhe as ações de demolição e de assistência social – que incluiu o pagamento de aluguel social para famílias desabrigadas, mais uma ajuda de R$ 5 mil para compra de eletrodomésticos – na coletiva de imprensa desta tarde.

Leia também:  Família diz que perdeu contato com mulher que fez ofensas raciais contra filha de Gagliasso

Por causa do temporal da semana passada, mil pessoas ficaram desalojadas em Duque de Caxias.  Mais 100 pessoas estão desabrigadas e duas morreram em decorrência da enxurrada, segundo a prefeitura.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.