A chuva que atinge desde ontem (10) o sul fluminense causou transtornos e danos a cidades da região como Angra dos Reis, Resende e Volta Redonda. Em Angra, 102 pessoas tiveram que deixar suas casas desde ontem e foram encaminhadas para abrigos montados pela prefeitura.

Cento e dez casas foram interditadas por causa de riscos de deslizamentos de terra. Desde 2 de janeiro já choveu 600 milímetros (mm), o triplo do esperado para todo o mês, que era 200 mm de chuva. Em apenas duas horas, em bairros como Japuíba, choveu quase a metade do esperado para 30 dias: 95 mm. No Frade, choveu 82 mm no mesmo período.

A Secretaria de Defesa Civil está em alerta máximo até que a situação volte à normalidade. O aviso de cheias do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), no entanto, já saiu do estágio de alerta máximo para o Rio Mambucaba, o que significa que o risco de transbordamento diminuiu.

Leia também:  Conta de energia pode sofrer redução em setembro

Houve também deslizamentos de terra na Rodovia Rio-Santos (BR-101), na noite de ontem e madrugada de hoje (11). “Estamos com ações integradas com o Corpo de Bombeiros e com a Defesa Civil, felizmente nada de grave aconteceu. O maior problema são os riscos de alagamentos nos rios e a queda das árvores nas fiações elétricas que provocam a falta de luz. Estamos trabalhando com prevenção neste momento”, explicou a prefeita Conceição Rabha.

Em Volta Redonda, no interior do sul fluminense, o Rio Paraíba do Sul transbordou em algumas localidades e provocou o alagamento do bairro Parque Independência que fica às margens do rio. Segundo informações da Defesa Civil, os moradores já tinham sido alertados sobre o possível aumento do nível do rio e foram retirados de suas casas. Eles foram encaminhados a abrigos da prefeitura. Ainda não há informações de quantas pessoas estão desabrigadas ou desalojadas no local.

Leia também:  Presença de criança em apresentação com artista nu gera polêmicas em museu de SP

Já no município vizinho de Resende, a Rodovia Presidente Dutra (BR-116) ficou interditada por mais de quatro horas, depois que o nível do Rio Água Branca subiu, por volta das 20h de ontem.  Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a via foi liberada à meia-noite e meia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.