Luís XVI e Maria Antonieta foram guilhotinados durante a Revolução Francesa (Foto: BBC)

Uma equipe de cientistas anunciou ter descoberto uma pequena urna que conteria sangue do rei francês Luís XVI, morto durante a Revolução Francesa.

O monarca e sua esposa, Maria Antonieta, foram guilhotinados em meio ao levante revolucionário ocorrido há mais de 200 anos.

Os cientistas disseram que o DNA encontrado no objeto é bastante similar ao material genético do que se supõe ser a cabeça mumificada de um parente próximo do déspota francês, segundo informações da agência de notícias AFP.

Após a morte de Luís XVI, acredita-se que parte dos que assistiram à cena teria molhado seus lenços no sangue do monarca.

Dentro da urna descoberta pelos cientistas, foi achado um pedaço de tecido contendo manchas de sangue.

Leia também:  Novas imagens mostram que camionete estava em alta velocidade

O objeto era decorado com imagens de heróis da revolução e as palavras: ‘No dia 21 de janeiro (em alusão ao dia 21 de janeiro de 1793, quando Luís XVI foi guilhotinado), Maximilien Bourdaloue molhou seu lenço no sangue de Luís XVI após sua decapitação’.

O ‘souvenir revolucionário’ permaneceu nas mãos de uma família italiana por mais de um século.

Ligação hereditária
Uma equipe composta por especialistas da Espanha e da França publicou o achado na revista científica internacional Forensic Science.

Análises do DNA dos vestígios de sangue descobertos dentro da urna já haviam sinalizado uma conexão com o monarca francês, apesar de os cientistas não terem conseguido provar que se tratava de Luís XVI, uma vez que não tinham material genético de nenhum de seus familiares.

Leia também:  Manifestantes vão pra frente de empresa de Ministro, mas se negam dialogar

Entretanto, a equipe conseguiu uma pequena e rara amostra genética do DNA do rei da França, proveniente de uma cabeça mumificada que seria de seu antecessor, Henri IV, morto em 1610.

Em 2010, cientistas afirmaram que a cabeça era de Henri IV, a partir de semelhanças físicas entre sua ossatura e as pinturas feitas desse rei francês.

O especialista em medicina forense Philippe Charlier disse à AFP que o estudo revelava que ambas as amostras ‘compartilhavam uma herança genética, a partir de uma ligação paternal’.

Co-autor do estudo, Carles Lalueza Fox, do Instituto de Biologia Evolutiva de Barcelona, afirmou à agência de notícias que ‘havia 250 vezes mais chances de que a cabeça e o sangue tinham alguma ligação consangüínea’.

Leia também:  Delegada dá detalhes sobre caso da mãe e crianças mantidas em cárcere privado em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.